Imagina na Jamaica

A sucessão de equívocos cometidos em série por Flávio Bolsonaro desde o surgimento do caso Queiroz desmontou um dos mais caros ativos do Clã B: que o 01 era dos filhos o mais tarimbado para fazer política. Eduardo seria mais talhado para um debate incendiário em plenário e Carlos, além do perfil mais tímido, nunca demonstrou interesse em esgrimar com a esquerda em discursos ou tecer articulações. O senador eleito, por sua vez, nunca foi dos mais destacados deputados da Assembleia, e até descobrirem o esquema do motorista, seu momento de maior destaque midiático foi quando quase desmaiou em um debate entre candidatos a prefeito do Rio em 2016. Cada gesto dele nos últimos dias atraiu mais atenção para o enrosco, e ao puxar da manga a carta do STF, conseguiu transformar um esqueminha mequetrefe de deputados de baixo clero na primeira crise braba do governo que não fez um mês. Tudo isso faz a gente pensar. Se o melhor quadro político opera assim, imagina o resto?

Varandão da memória

Toda essa confusão envolvendo os Bolsonaro faz lembrar o comentário de uma saudosa raposa política pernambucana sobre um episódio de 2005, quando o então presidente da Câmara, Severino Cavalcanti, precisou renunciar ao cargo para não ser cassado por receber um “mensalinho” do dono de um restaurante do Congresso. “Se me dissessem que o Severino estava envolvido num mega-esquema, eu não acreditaria”, ponderou. “Mas tomar dinheiro do dono da cantina? Isso sim é a cara dele”.

O peixe...

O reality show diário com o qual os novos congressistas resolveram nos brindar diariamente no Whatsapp tem pelo menos dado margem a momentos, digamos, curiosos. Nesse fim de semana foi a vez de Luis Miranda (DEM -DF) cometer mais um sincericídio em uma desastrosa postagem onde tentou explicar a controversa viagem de deputados de direita à China.

...morre...

Ele primeiro havia divulgado uma nota oficial dizendo que o passeio não foi uma “viagem de bancada”, mas de “pessoas que querem contribuir com o desenvolvimento do país”. No vídeo, depois de ameaçar enfiar a mão na cara dos críticos, revelou mais detalhes.

...pela boca

“Não viemos para a China com interesses próprios não”, informou. “Minto. Eu a todo momento pedi à delegação que me apresentasse a empresas da área de tecnologia para que eu comercializasse produtos, laptops, computadores, no meu negocinho”. Cai o pano.

Dúvida

Perguntar não ofende. Então por que até agora não se falou das imagens das câmeras de segurança amplamente espalhadas pela ALERJ e do posto do Itaú que fica lá dentro? Não é por nada não, é só pra gente ficar sabendo.

Novos carros

Polêmica à vista. Entre os cafezinhos das articulações para a próxima Mesa Diretora, um assunto é recorrente. Não será surpresa para esta coluna se suas excelências colocarem em pauta logo no começo do ano a ideia de comprar uma nova frota de carros blindados para os parlamentares. As ameaças a Marcelo Freixo e o atentado contra Marta Rocha, reforçaram a posição da turma que defende esta proposta.

LANCE LIVRE

Estréia dia 30, às 20h, no Teatro Miguel Falabella a peça Grafiti Coração, uma adaptação de Romeu e Julieta com direção de Verônica Reis. A Estácio de Sá recebe nesta sexta-feira, a partir das 21h30, a Mocidade Independente de Padre Miguel , no Projeto uma noite no Berço do Samba.