Algo de diferente na Dinamarca

.

JB
Credit...JB

Vale lembrar a citação “algo de podre na Dinamarca”, lida em Hamlet, a peça de Shakespeare. Mas o “podre“ muda para “diferente”, porque a tradição minimalista das coleções escandinavas foi rompida nesta semana de apresentações de Copenhague, na Dinamarca. Excentricidades, excessos e diferenças em relação aos clássicos estão presentes e anunciam tendências surpreendentes na Skandi-moda, como são conhecidas as novidades dos países da região. Estas são as principais tendências anunciadas para a Primavera-verão 2022 na Fashion Week de Copenhague:


1.Vestidinhos estilo anos 1990: Jeanette Friis Madsen und Thora Valdemorsdie mostraram um mix de grunge, techno e girl power na grife Birger Christensen. Modelagem sexy, comprimentos curtos, cores fortes e estampas florais. Sempre com botas longas ou coturnos como complemento.

Macaque in the trees
Curtos e justos, os vestidos da grife Birger Christensen (Foto: divulgação Birger Christensen)

2.Terninhos pasteis: bons exemplos no trabalho de Juli Brøgger, que lembra os power-suits dos anos 1980, de paletós over-sized, ombros largos, renovados em looks de tons de sorvete, como amarelo-limão ou rosa-champanhe

Macaque in the trees
Terninho de duas peças em diferentes tons de sorvete, da Brøgger (Foto: divulgação Brøgger)

3.Minissaias evasês: um perigo, esta volta às saias em forma de cúpula de abajur. Nem todas ficam bem com elas, só que atualmente, quem se preocupa com isto? Usa quem quer, aquilo que quiser. Neste caso, a referência é a década de 1960 e o chamado Summer of Love, da era hippie. Na Ganni as saias ganham flores gigantes nas estampas e aplicações.

Macaque in the trees
Saia curta e evasê, com glorês na barras, da Ganni (Foto: divulgação Ganni)

4.Jeans colorido: destaque para o conjunto que lembra o smoking, de jaqueta e calça em tom cereja, da designer Stine Goya. Segundo as avaliações das editoras europeias, é o tipo de roupa que alegraria os dias de inverno também, pelo colorido.

Macaque in the trees
O jeans com nobreza, na coleção da Stine Goya, em tom vermelho-cereja (Foto: divulgação Goya)


5.Agasalhos de fleece: já presentes nas produções de séries coreanas, estes casacos antes restritos ao street fashion, quando em Paris eram encarados como moda da periferia, se transformam na grife dinamarquesa Holzweiler em peças tão importantes que são encaradas como opções para o trenchcoat!

Macaque in the trees
Os blusões e casacos de fleece ganham ares sofisticados na Holzweiler (Foto: Foto: divulgação Holzweiler)

Macaque in the trees
Os blusões e casacos de fleece ganham ares sofisticados na Holzweiler (Foto: divulgação Holzweiler)

6.Tamancos: outra referência nos anos 1970, o tamanco estilo holandês. Em couro, com o brilho metálico de grandes rebites e solas de madeira, estes calçados retrô ficam ainda mais “modernos”, quando usados com meias grossas de lã! Isto é a indicação da marca Ganni

Macaque in the trees
Voltam os tamancos estilo holandês, com adereços punks (Foto: divulgação Ganni)

7.Casacões: afinal, é a moda da Dinamarca, que pode se dar ao luxo de impor grandes casacos no verão, chamados de statement coats, espécie de peças de afirmação. Saks Potts mostrou modelos de jeito masculino em cores fortes como o azulão ou de impacto como o branco (impacto, porque pensem na dificuldade de manter limpo um casaco branco)

Macaque in the trees
Casaco imponente azul, na coleção da Saks Potts (Foto: divulgação Sakes Potts)

O link no YouTube leva a uma pequena aula de como usar os blusões da Holzweiler, de um jeito definido como Sporty-Chic. Muito bom o tamanho do logo, sem exageros.

A moda dinamarquesa só tem um percalço para quem escreve: algumas letras não fazem parte dos nossos teclados, como o ø. Mas vale prestar atenção no que a Skandi-Moda nos sugere: basta lembrar que a H&M é sueca. Ainda não veio para o Brasil por várias razões. Uma delas, é a concorrência com redes brasileiras, como a Renner, que seguem os mesmos conceitos e faixas de preços.



Os blusões e casacos de fleece ganham ares sofisticados na Holzweiler
Iesa Rodrigues
Curtos e justos, os vestidos da grife Birger Christensen
Terninho de duas peças em diferentes tons de sorvete, da Brøgger
Saia curta e evasê, com glorês na barras, da Ganni
O jeans com nobreza, na coleção da Stine Goya, em tom vermelho-cereja
Os blusões e casacos de fleece ganham ares sofisticados na Holzweiler
Voltam os tamancos estilo holandês, com adereços punks
Casaco imponente azul, na coleção da Saks Potts