Cascata gaúcha

Vivemos mesmo no país do “me engana que eu gosto”. Grêmio e Renato Gaúcho garantem agora que o técnico fará o tal curso da CBF em fevereiro. Você acredita? Eu também, não. Mas criarão uma historinha de boitatá qualquer para dar ao treinador a tal Licença-PRO, sem que ele cumpra as 370 horas de aula exigidas (que ele próprio disse que não cumpriria durante a vida inteira, quanto mais em duas semanas). Por tudo que Renato já fez no futebol, acho que tem todo o direito de receber o diploma. Pra que inventar que fará um curso que não fará?

Entre os piores

Prestes a deixar o cargo, por renúncia ou por impeachment, Pedro Abad já está na história do Fluminense como um dos piores presidentes de todos os tempos. Aproxima-se a passos largos do lugar mais alto do vergonhoso pódio onde está Álvaro Barcellos, aquele que estourou uma garrafa de champanhe para comemorar a virada de mesa que impediu o rebaixamento tricolor em 1996. Nos anos seguintes, sob sua direção, o clube caiu para a segunda divisão (1997) e para a terceira (1998). Voltou à elite em 1999 graças à outra manobra extracampo, dessa vez capitaneada pela CBF.

Quando mais é menos

O presidente da Fifa, Gianni Infantino, continua disposto a aumentar cada vez mais o número de seleções nas próximas Copas, o que significaria baixar cada vez mais o nível técnico da competição, que vem caindo edição após edição. Em 2026, serão 48 equipes na fase final! Vamos falar francamente? Há algum tempo, a Copa do Mundo deixou de ser o torneio onde se joga o melhor futebol do planeta. Vale apenas pelo sentimento de patriotismo que ainda move os torcedores mundo afora. A Liga dos Campeões reúne equipes bem mais fortes do que qualquer seleção e seus jogos são tecnicamente muito superiores.

Fora do mercado

Vários clubes grandes trocaram de técnico neste final de ano e, como de hábito, graças à amizade que cultiva com muitos “coleguinhas”, o nome de Vanderlei Luxemburgo apareceu nas listas de candidatos de muitos deles. Foi contratado? Não. Ninguém mais acredita no blá-blá-blá do “profexô”.

Desalentador

Como quem não quer nada, o Flamengo vai esvaziando as assustadoras histórias de que estaria interessado no destemperado Felipe Melo e em Paulo Henrique Ganso. Menos mal. Em compensação, é desalentadora a notícia da volta de Arthur Rocha, como vice-presidente de planejamento. Foi ele quem, numa ausência de Márcio Braga, pagou uma fortuna pelo caneleiro Dimba. Se o deixarem “planejar” algo, “todos aos botes”!