Publicidade

Dicas do Aquiles

Um CD perspicaz

São treze músicas extremamente bem elaboradas

...
Credit......

Eis que me deparei com a mulher e me pus a ouvi-la. Eis que senti a música e notei sua emoção. Eis que lágrimas brotaram. Eis a força das palavras da mulher, refletidas em versos que relembram um tempo solidário, tempo que se foi e deu lugar a uma falsidade facinorosa.

A mulher é a compositora e cantora Gabi Buarque. Tudo o mais que ouvi, senti e disse no parágrafo anterior está em seu CD Mar de Gente (independente).

São treze músicas extremamente bem elaboradas. Ecléticas, deixam sobressair ritmos brasileiros – sambas, maxixes e canções – ao mesmo tempo em que remetem ao blues e ao dixieland.

Macaque in the trees
Capa do CD de Gabi Buarque (Foto: Foto: reprodução)

Por falar em “remeter”, algumas presenças afetivas ajudam a consolidar o caráter peculiar do disco de Gabi Buarque. Por exemplo, as músicas que sintonizam uma levada que muito lembram ora Zé Rodrix, em “É” (Gabi Buarque e Socorro Lira), ora Zé Ramalho em “Quantos” (Gabi Buarque): “(...) Contam os que viveram/ E viram tudo acontecer/ E quem jamais ousaria desdizer?/ Mas o mundo gira e volta tudo outra vez/ De que vale a morte dos que lutam/ Se o passado não diz nada pra você?”.

Os sambas e maxixes, por exemplo, convidam-nos a relembrar Clara Nunes, como nos versos de “Morena do Mar” (Gabi Buarque e Silvia Duffrayer): “(...) Ô morena do mar, Odoiá!/ Ô morena do mar, Odoiá!/ Ô morena do mar/ Mamãe rainha Yemanjá!”.

Da mesma maneira, versos contestatórios nos trazem à mente a politização de letras como as de um Sérgio Ricardo, pós bossa-nova, ou de um Geraldo Vandré, no enfrentamento à ditadura. Ou ainda na quadra do escritor Eduardo Marinho: “(...) No dia em que o morro não descer/ Aí é que o Brasil vai ver/ A importância e a força do seu povo”. Versos estes escolhidos por Gabi como prólogo para a sua música “Penha”.

O universo feminino é regiamente privilegiado no CD, exceção feita a instrumentistas, ao arranjador (Luis Barcelos), a Roberto Didio (parceiro de Gabi em “Samba Rezadeiro”) e a Fernando Pessoa, com o poema “O Amor” interpretado na voz de Gabi.

Assim, as compositoras Socorro Lira, Silvia Duffrayer e Angélica Duarte, e as cantoras Áurea Martins, Mariana Baltar, Nina Wirtti, Thais Macedo – com belas participações especiais – e Maria Sereno, com o poema “Pulso Aberto” recitado por Gabi, revelam que as mulheres pontificaram no cerne do álbum.
A autenticidade de todo esse “mar de gente” lembrou-me o auto de Natal pernambucano Morte e Vida Severina (João Cabral de Melo Neto): o CD tem sabor de “caderno novo, quando a gente o principia; [ele] infecciona a miséria, com vida nova e sadia, com oásis o deserto, com ventos a calmaria”.

Eis que a música se fez viva; palavras deram o prumo para reaver a liberdade ameaçada. Pois a democracia, pela qual tanto lutamos, hoje não passa de um circo onde o palhaço oficial e seus cachorrinhos submissos nos fazem ranger os dentes.

Eis Gabi Buarque, a mulher que bem criou e cantou lembranças musicais de tempos tão difíceis quanto os de hoje. Tempos idos, mas ainda vivos na memória.

Aquiles Rique Reis, vocalista do MPB4



...
Capa do CD de Gabi Duarte