Jornal do Brasil

Coisas da Política

Coisas da Política

Tereza Cruvinel

Soma zero

Jornal do Brasil

Os candidatos da segunda divisão bem que se esforçaram mas dificilmente terão conseguido, no debate ontem (Folha/Uol/SBT) arranhar a polarização Bolsonaro X Fernando Haddad, confirmada pouco antes com a divulgação de mais uma pesquisa Ibope. Ausente, Bolsonaro acabou preservado, embora citado negativamente. A sociedade civil é que se levanta com mais força contra ele, neste momento. O petista virou alvo de todos, mas não deve perder votos com o tipo de ataques que sofre nos debates. Quem está com ele já estava com Lula. Não vai se abalar com críticas aos governos petistas ou por chamarem o PT de organização criminosa. E assim, o jogo acaba sendo de soma zero.
Nem por isso, o debate deixa de ter sua importância, contribuindo para que os eleitores conheçam melhor os candidatos, seus pontos fracos, suas propostas. E todos trataram de ter a melhor performance, buscando evitar que se configure a situação de “segundo turno no primeiro”, com uma disparada de voto útil a favor dos candidatos agora polares, que desidrataria a votação dos demais. Da votação obtida no primeiro turno dependerá, para os excluídos do segundo, o peso que terão para negociar apoio a um dos finalistas ou para participar do futuro governo.
E assim, foram todos valentões. Álvaro Dias, esconjurando o tempo todo “a volta da organização criminosa”, desencavou até os assassinatos de Celso Daniel e Toninho do PT, do início dos anos 2000. Ciro Gomes chegou a culpar o PT por ter permitido, ao criar “uma estrutura odienta’, o surgimento da “aberração” Bolsonaro. Marina responsabilizou o PT pela existência de Temer e seu governo. “Ele não teria chegado lá sem a ajuda de vocês”, rebateu Haddad. E como quem bate leva, o desgaste acaba socializado. O tucano Geraldo Alckmin bateu muito no PT, mas saiu também muito avariado. Para isso o petista teve a ajuda de Guilherme Boulos, do PSOL, que lhe perguntou pelo escândalo da merenda escolar e pelos desvios que estão sendo investigados em grandes obras do mandarinato tucano em São Paulo.
Teremos mais debates e mais pesquisas nesta reta final, mas os movimentos da sociedade, pelo menos contra Bolsonaro, ganham dinâmica própria, reduzindo a importância dos confrontos. Movimentos como #elenão, o #Democraciasim e o manifesto “Juristas contra o fascismo”, lançado ontem por 560 luminares do direito, devem estar servindo mais para conter Bolsonaro que os ataques de concorrentes. Na pesquisa CNI-Ibope de ontem, ele aparece com 27%, um ponto porcentual a menos que na pesquisa anterior, feita para a Rede Globo, fechada um dia antes. Uma oscilação negativa ligeira, mas ele já havia parado de crescer. Haddad se manteve em segundo lugar com 21%, mas Ciro veio com 12%, um ponto a mais que na anterior. Mas agora, saindo do hospital, o ex-capitão fará transmissões ao vivo diárias a partir de sua página no Facebook. E isso pode lhe dar novo gás.
Se algum padrão eleitoral será mantido nesta eleição, teremos na retinha final um arrastão em algum sentido. Poderá ser uma onda vermelha a favor de Haddad, ou uma expansão do bolsonarismo pela adesão de candidatos estaduais do PSDB e de outros partidos de direita. Ou as duas coisas, fazendo o segundo turno no primeiro.

Fato grave
O Supremo manteve ontem a cassação do título, e logo do voto, de 3,3 milhões de eleitores que não fizeram o cadastramento biológico. O procurador e ex-ministro Eugênio Aragão, um dos defensores do pedido de liminar do PSB contra a decisão do TSE, lembrou que a maioria dos eleitores que ficarão sem votar são pobres, não tendo se recadastrado por falta de informação ou de meios para cumprir a exigência legal. Diz a Constituição que só a condenação com trânsito em julgado pode privar um brasileiro com mais de 16 anos de exercer o direito de voto. O STF podia ter evitado o risco de, lá na frente, isso ser usado para questionar o resultado do pleito.



Recomendadas para você