Lucro e demissão 

Enquanto acumulava lucro, Itaú demitia 4 mil

Um velho ditado atribuído a Lênin ensina que a prática é o critério da verdade. Em 2011, enquanto se dizia “o banco mais sustentável do planeta”, o Itaú, na surdina, fazia demissões em massa, eliminando 4 mil postos num país que criou 1,9 milhão de empregos. O custo da folha caiu 13,4% no último trimestre do ano, cerca de R$ 215 milhões. No mesmo período, o lucro bateu recorde: R$ 14,6 bilhões.

Primeiro o meu

Um dos efeitos da atitude do Itaú é sua liderança nas listas de queixas no Banco Central, Procon, além das ações na Justiça. 

Só agora?

Na divulgação do lucros sideral, o presidente do Itaú, Roberto Setúbal, disse que “agora estamos prontos para uma agenda pró-cliente”.

Passou bem

Acompanhado de nove pessoas, o governador do DF, Agnelo Queiroz (PT), almoçou ontem no restaurante Damici, no Leme, Rio de Janeiro.

Buracos torturantes

O ministro Joaquim Barbosa, do Supremo, continua atormentado pelas dores na coluna. Ele vai ao trabalho deitado no banco traseiro do carro oficial, para suportar os solavancos nas esburacadas vias de Brasília.

Desembucha, homem

O ministro Guido Mantega (Fazenda) se recusou a “dar pistas” sobre o novo contingenciamento nos gastos. Poderia ao menos dar pistas do seu real envolvimento no escândalo de corrupção da Casa da Moeda.