Jornal do Brasil

Ciência e Tecnologia

Google teria avisado EUA sobre riscos de vetar Huawei

Versão modificada do Android seria mais vulnerável aos ataques de hackers

Jornal do Brasil

A Google afirma que uma versão modificada do Android pela Huawei seria mais vulnerável aos ataques de hackers.

A empresa alertou a administração de Trump de que a proibição sobre a Huawei coloca a segurança nacional dos EUA em risco, já que essa decisão fará com que a empresa chinesa crie um sistema operacional inseguro, informa o Financial Times.

Recentemente, diversas empresas como Google, Intel, Broadcom, Qualcomm, ARM, entre outras, suspenderam suas atividades comerciais com a empresa chinesa, seguindo ordens do Departamento de Comércio dos EUA.

Macaque in the trees
Huawei (Foto: WANG ZHAO / AFP)

Entretanto, foi informado que atualmente os executivos da Google estão pressionando os funcionários norte-americanos para desfazerem a proibição ou para que seja emitida uma nova licença temporária para a empresa chinesa.

Por sua vez, o presidente da Huawei, Richard Yu, afirmou que a empresa chinesa conta com um "plano B", caso não possa utilizar os sistemas operacionais norte-americanos. Com isso, a empresa estaria planejando colocar em funcionamento o sistema Hongmeng, que é um sistema operacional próprio da empresa chinesa, para substituir o Android da Google.

Até o momento, não há informações detalhadas sobre o funcionamento do sistema operacional. Entretanto, é provável que ele seja um sistema híbrido com base na versão de código aberto do Android, o que está preocupando a Google, que afirma que essa versão modificada do Android seria mais vulnerável aos ataques de hackers.

"A Google argumenta que, ao evitar o acordo com a Huawei, os EUA arriscam a criação de dois tipos de sistema operacionais Android, a versão original e a versão híbrida. É provável que a híbrida tenha mais erros do que a original, o que poderia colocar os telefones da Huawei em maior risco de ataques, não apenas por parte da China", explicou uma fonte ao Financial Times.