Zika e gripe são temas de 1º encontro da parceria Brasil-China

Pesquisadores chineses estiveram na Fiocruz para apresentar suas pesquisas, inovações e campos de estudos na área da infectologia para cientistas brasileiros. O 1º Encontro Acadêmico do Centro Brasil-China de Pesquisa e Prevenção em Doenças Infecciosas (IDRPC, na siga em inglês), organizado pela Fiocruz e pela Academia Chinesa de Ciências, aconteceu no auditório do Pavilhão Arthur Neiva, no campus de Manguinhos (Rio de Janeiro), e marcou mais um passo da parceria entre os dois países, que teve início no ano passado, com a assinatura de dois acordos, um em novembro de 2017 e outro em fevereiro de 2018.

Esse primeiro encontro acadêmico teve foco especial nas infecções responsáveis por epidemias recentes nos dois países, zika no caso do Brasil e gripe no caso da China. As doenças virais emergentes e reemergentes são responsáveis por 20% da mortalidade no mundo e, como lembraram os participantes, vírus não precisam de passaporte para se espalhar.

Apesar de não terem a zika em seu território, os chineses estão muito avançados em seus estudos sobre o tema e tem até mesmo uma estátua do vírus do lado de fora de seu laboratório em Shenzhen. Entre os avanços, foram apresentados estudos sobre possíveis vacinas e métodos de diagnósticos rápidos, que precisam da parceria da Fiocruz para serem testados em pacientes.

“O Brasil e a China têm muitos problemas comuns. A China tem grupos que trabalham nas mesmas áreas prioritárias para a Fiocruz, como infecções por vírus, desenvolvimentos de vacinas, desenvolvimento de diagnóstico. E eles têm uma massa de pesquisadores em várias instituições, como na Academia de Ciências Chinesa, com a qual temos todo interesse em trocar experiências, fazer intercâmbio de pesquisadores”, comentou Carlos Morel, diretor do Centro de Desenvolvimento Tecnológico em Saúde (CDTS/Fiocruz), que tem liderado os esforços da parceria. Ele também demonstrou interesse nos polos tecnológicos chineses, como o Instituto Genômico de Pequim (BGI, na sigla em inglês). “A China hoje em dia tem capacidade científica e tecnológica invejável”, destacou, reafirmando que apesar de nova, a parceria tem “tudo para crescer”.

No encontro, a estrutura e as instalações da Academia Chinesa de Ciências (CAS, na sigla em inglês) também foram apresentadas. Diferente de outras academias de ciências, a CAS possui laboratórios próprios, sendo a maior instituição científica do país com 800 membros e mais de 60 mil pesquisadores em seus centros. Ela é responsável por 85% da infraestrutura de megaciência na China e possui nove centros de ponta fora do país.

“Viemos aqui para mostrar ao cientistas e estudantes da Fiocruz o que fazemos na China e esperamos que encontremos muitos outros pontos de colaboração e que mais intercâmbios de pesquisadores aconteçam”, explicou Tong Zhou, professor associado do Instituto de Microbiologia da Academia Chinesa de Ciências. “O que queremos é maximizar as vantagens para os dois lados. A Fiocruz tem muitos trabalhos com zika, febre, amarela e outras doenças infecciosas. Nós não temos pacientes, mas nós pesquisamos continuamente baseados em nosso sistema de ciências e somos profissionais nisto. A colaboração vai combinar vantagens e construir um futuro muito mais brilhante para os dois países”, afirmou.

O primeiro intercambista da parceria também esteve presente no encontro. Leonardo Vasquez é pesquisador afiliado da Fiocruz e pesquisador visitante da Academia de Ciências Chinesa. “A experiência é ótima, saber como um grupo grande e relevante como o deles trabalha. É importante saber até para a gente ganhar como experiência. É um país também em desenvolvimento como o Brasil, tem suas limitações, mas tem grandes vantagens. Em ciências, eles estão despontando”, afirmou Leonardo, que está na China desde abril pesquisando aspectos estruturais do vírus da chikungunya. Ele deve ficar dois anos no total no Instituto de Microbiologia, em Pequim, e está animado com os frutos que essa experiência pode trazer ao Brasil.

Agência Fiocruz de Notícias