Ressonância magnética pode 'fotografar' inteligência

Nova tecnologia ajudará combate à depressão e ao autismo

Com as novas ressonâncias magnéticas, é possível "fotografar" a inteligência de uma pessoa. É o que diz uma pesquisa realizada pela Faculdade de Medicina da Universidade de Nova York, publicada no jornal "Plos One".

O estudo foi baseado em uma tecnologia que mediu a entropia no cérebro dos pacientes, ou seja, a capacidade dos circuitos nervosos de interpretarem o mundo e o ambiente.

Isso porque, segundo os estudiosos, essa tecnologia é um fator fundamental para entender as informações sensoriais que chegam ao cérebro. 892 pacientes, entre homens e mulheres, passaram por análises e embasaram os resultados.

"Nosso estudo oferece a primeira evidência concreta de que as ressonâncias magnéticas funcionais da entropia cerebral são um novo meio de compreensão da inteligência humana", afirmou Glenn Saxe, professora de psiquiatria infantil e adolescente da Escola Nyu de Medicina, em Nova York.

Saxe ainda revela que, se outros estudos se mostrarem efetivos, exames cerebrais irão ajudar médicos a avaliar problemas de função cerebral em pessoas com depressão, transtorno de estresse pós-traumático e também autismo.

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais