Eclipse solar: saiba como observá-lo sem prejudicar a visão

Neste mês de fevereiro, boa parte dos brasileiros terá mais um motivo de alegria. Em pleno domingo de Carnaval (26), vai ocorrer um eclipse solar parcial, que poderá ser visto, pela manhã, de diversas regiões do país. No entanto, os observadores do espetáculo astronômico precisam ter muito cuidado com os olhos. Observar o fenômeno diretamente ou sem proteção adequada pode ocasionar a perda da visão.   

Instrumentos como binóculos, lunetas, telescópios, óculos 3D, chapas de exames de Raio-X, filmes velados, máquinas fotográficas, CDs, materiais caseiros, entre outros, não devem ser utilizados para a observação do eclipse solar, pois podem causar graves danos aos olhos.   

Porém, existem outros métodos para observar o fenômeno, entre eles o mais seguro é a da projeção indireta. Algumas técnicas de projeção indireta estão disponíveis aqui. Uma delas usa binóculos, folha de papel, cartão escuro e cartão branco. Cobre-se uma das lentes do binóculo com um cartão opaco ou similar para utilizar apenas uma das lunetas do aparelho, outro cartão opaco é colocado para formar uma sombra no cartão branco da projeção, o cartão de projeção, de preferência branco, é posicionado para receber a luz que sai da ocular do binóculo. A ocular do binóculo é ajustada até que seja observada uma imagem nítida da borda do Sol.    

Outra forma segura de observação do eclipse solar, indicada por oftalmologistas e astrônomos, é por meio da utilização de vidro escuro de máscaras soldadoras, de número 14 para cima, encontrados em lojas de construção ou ferramentas. 

No entanto, a oftalmologista Kátia Mello, diretora do Centro da Saúde Ocular Kátia Mello, em Duque de Caxias, Rio de Janeiro, explica que, mesmo com esse recurso, não se deve olhar para o Sol por muito tempo. 

De acordo com Kátia , é necessário intercalar mais de um minuto entre as observações, que devem ser de, no máximo, 15 segundos por vez. A oftalmologista explica que os riscos aos olhos durante o eclipse solar são os mesmos de dias normais, porém, assim como ocorre no dia a dia, não devemos olhar para o Sol sem proteção adequada. 

“Durante o eclipse, muitas pessoas acreditam que podem observar o Sol sem danos, talvez, por ele está encoberto, mesmo parcialmente, pela Lua ou pela Terra. Mas é uma ilusão, a nocividade é a mesma”, comenta.   

Para quem não dispõe de filtros solares apropriados para a observação do fenômeno e não tem tempo e/ou paciência para aprender os métodos de projeção indireta, é possível acompanhar os eventos realizados em observatórios ou mesmo assistir a transmissões realizadas por sites na internet.   

Eclipse Solar Anular    

O fenômeno deste dia 26 de fevereiro trata-se de um Eclipse Solar Anular, que ocorre quando a Lua passa entre a Terra e o Sol, fazendo com que parte da luz solar seja bloqueada pelo disco lunar. No Eclipse Anular, a Lua não encobre todo o disco solar. Esse espetáculo poderá ser visto parcialmente na maior parte da América do Sul, incluindo várias regiões do Brasil. Em 21 de agosto de 2017, ocorrerá um novo eclipse solar, que será total nos Estados Unidos e visto de forma parcial em grande parte do Brasil (mais ao Norte).