Ministro da Saúde 'torce' para mulheres pegarem zika antes de idade fértil

O ministro da Saúde, Marcelo Castro, declarou nesta quarta-feira (13) que "vamos torcer" para que as mulheres peguem zika antes da idade fértil, para ficarem imunes, o que faria com que a vacina não fosse necessária. A gafe foi cometida em meio a discussões, ao longo da semana, sobre a possibilidade e o tempo necessário para uma vacina contra a doença.

"Não vamos dar vacina para 200 milhões de brasileiros. Vamos dar para as pessoas em período fértil. E vamos torcer para que antes de entrar no período fértil que elas peguem a zika, para ficarem imunizadas pelo próprio mosquito. Aí não precisa da vacina", disse o ministro.

Castro disse ainda que tem "esperança" de que será possível cumprir a meta de visitar 100% dos imóveis do país até o fim de janeiro, que seria feita por agentes de endemias e do Exército, para inspecionar e eliminar criadouros do mosquito Aedes aegypti.

"Hoje, mais de dois terços dos criadouros estão dentro das residências. Precisamos mobilizar a sociedade porque, sem ela, não vamos ter êxito", ressaltou o ministro, que informou que outra ação prevista é instalar telas em caixas de água e canos no Nordeste. "O armazenamento dessas águas estava sendo um excelente criadouro do mosquito."

No início da semana, Marcelo Castro disse que a grande aposta contra o vírus Zika é o desenvolvimento de uma vacina, mas reconheceu que a conclusão dos estudos sobre o imunizante deve demorar pelo menos dois anos. Prazo menor que o tempo para elaboração de vacina contra a dengue, que demorou 20 anos e protege contra quatro sorotipos do vírus. A vacina contra o Zika deve proteger apenas contra um.

“Enquanto a vacina não vem, o importante é não deixar o mosquito [Aedes aegypti] nascer, porque quando ele nasce é um perigo ambulante”, disse Castro na ocasião. 

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade.
Ao continuar navegando, você concorda com estas condições.
Saiba mais