Estudante cria aplicativo para denúncia de assédios

Uma estudante brasileira de apenas 17 anos resolveu fazer sua parte no combate aos assédios sexuais sofridos pelas mulheres e criou o aplicativo "Sai Pra Lá", disponível para iOS e Android. A jovem abriu mão de sua formatura do ensino médio para investir no desenvolvimento o sistema com dois amigos e o timing de lançamento não poderia ser mais adequado: coincidiu com campanhas como o #meuprimeiroassédio, o Agora é que são elas e a manifestação de mulheres sobre retrocessos nas legislações sobre os direitos das mulheres.   

O "Sai Pra Lá", que foi disponibilizado nesta terça-feira (3), já foi baixado por mais de 2.500 brasileiras em todo o país e sua página no Facebook conta com mais de 9 mil curtidas. Lá, a criadora Catharina Doria, de São Paulo, explica o passo a passo para uso do aplicativo.

"O aplicativo funciona de forma rápida e prática. Andou na rua e foi assediada? Abra o aplicativo, escreva o endereço em que o assédio ocorreu, escolha o período do dia, o tipo de assédio e o que foi feito. Pronto, o seu assédio foi registrado de forma anônima. Não é obrigatório escrever o seu nome, idade ou email, este item é opcional", diz o texto. 

Em outra publicação, Catharina conta que sua ideia é mapear o assédio, atuando na prevenção e pressionando os órgãos responsáveis pela segurança das mulheres. "Fica aqui o meu muito obrigada de coração! Estou impressionada como crescemos tão rápido em tão pouco tempo! Obrigada por compartilharem momentos tão difíceis conosco! Estamos juntas nessa!", escreveu a estudante em seu último post.