Dispositivo bucal obriga usuário a mastigar direito e ajuda a emagrecer

A obesidade é uma das maiores doenças de saúde pública do mundo. Existem inúmeros métodos para combatê-la. A novidade do momento é o dispositivo bariátrico intrabucal móvel, que promete reduzir a quantidade de comida ingerida pelo usuário e obrigá-lo a mastigar mais.

De acordo com o cirurgião dentista Flavio Gonçalves, do Rio de Janeiro, estudos divulgados por institutos e universidades americanas revelam que o aparelho reduz em 23% a ingestão de alimentos, o que significa 533 calorias a menos por refeição.

O instrumento é feito de resina acrílica e deve ser colocado no palato - céu da boca - 15 minutos antes das refeições. "Como o espaço na boca diminui, a pessoa não consegue deixar de mastigar de 20 a 30 vezes cada bocado, sem contar que não é possível colocar um pedaço muito grande", explica Flavio.

A saciedade pode ser alcançada mais rápido quando a pessoa mastiga mais vezes, o que é determinante para quem busca emagrecer. "O cérebro demora 20 minutos para registrar que o estômago está cheio, portanto se a pessoa come muito rápido, sem mastigar direito e sentir a textura dos alimentos, ela enche o estômago e ingere até 30% a mais de calorias", afirma o cirurgião dentista.

Flavio Gonçalves é a favor do aparelho e afirma que o dispositivo não causa nenhum tipo de malefício à saúde bucal, podendo ser usado socialmente, já que não gera constrangimento. "Ninguém nota que a pessoa está usando, é bem fácil de colocar e dá para conversar perfeitamente", ressalta o dentista.

Tratamento multidisplicinar

O dispositivo bariátrico é um grande aliado no processo de emagrecimento. Indicado para pacientes que comem muito rápido, precisam se reeducar e possuem o  IMC (Índice de Massa Corpórea) acima de 25, o método não é indicado para crianças, nem pacientes com transtorno alimentar, como a bulimia e a anorexia.

Os interessados na nova metodologia podem procurar um ortodontista, entretanto, de acordo com o especialista, "é um tratamento multidisciplinar, ou seja, necessita envolver um endocrinologista,  nutricionistas, exercícios físicos e até psicólogos que ajudarão no combate a obesidade".

Flavio explica, ainda, que o aparelho demora 15 dias para ficar pronto  e o dentista necessita acompanhar  uma vez ao mês quem está usando o aparelho para verificar se está adaptado corretamente.

Por determinações do Conselho Federal de Ortodontia, os especialistas não divulgam o preço do aparelho. Mas Flavio diz que o custo-benefício é acessível. Contudo, é necessário que haja disciplina no uso correto do aparelho. "É preciso que o paciente tope mudar seus hábitos e seguir as recomendações alimentares dos especialistas bem como o tempo de uso do aparelho".