SBU intensifica campanha de conscientização sobre câncer de próstata

A Sociedade Brasileira de Urologia (SBU) intensificará a campanha de conscientização dos homens sobre a necessidade de fazer exames para diagnóstico precoce do câncer de próstata, com  base na Lei 13.045, sancionada pela presidenta Dilma Rousseff no dia 26 de novembro passado.

A lei foi proposta pelo senador Antonio Carlos Valadares (PSB-SE). Ela institui  o Programa Nacional de Controle do Câncer de Próstata e obriga as unidades integrantes do  Sistema Único de Saúde a fazer exames para a detecção precoce do câncer de próstata “sempre que, a critério médico, tal procedimento for considerado necessário".

Em entrevista, hoje (2), à Agência Brasil, o presidente da SBU, Carlos Corradi, disse que, com o maior acesso do homem ao diagnóstico precoce, deverá haver uma diminuição na incidência dos casos de câncer  de próstata avançado, que ocorria em grande número no Sistema Único de Saúde (SUS). "Com isso, vai melhorar muito a detecção do câncer em uma fase mais inicial e, também, o prognóstico do paciente que é tratado pelo SUS”.

O que falta, disse o urologista, é  conscientizar cada vez mais os homens da necessidade de fazer exames periódicos. A nova lei soma o câncer de próstata aos tipos de cânceres já atendidos pelo SUS, que são  o câncer cérvico-uterino e  o de mama e o câncer de pênis.

O presidente da SBU salientou que, apesar de grave, a doença tem cura quando detectada em fase inicial. “Daí a importância desses exames  para diagnóstico precoce”. O médico observou que esse é o tipo de câncer mais barato de se fazer o diagnóstico, uma vez que envolve o exame físico, que é o toque retal, e o exame de sangue, conhecido como PSA (Antígeno Prostático-Específico).  “Se um dos dois estiver alterado, nós fazemos a biópsia da próstata para afastar ou para confirmar o câncer”.