Rio de Janeiro sediará Congressos Brasileiro e Pan-Americano de Oftalmologia

Reunindo mais de mil palestrantes, evento será realizado no Riocentro entre os dias 7 e 10 de agosto

O Rio de Janeiro sediará, entre os dias 7 e 10 de agosto, os Congressos Brasileiro e Pan-Americano de Oftalmologia. O evento ocorrerá no Riocentro, reunindo mais de oito mil profissionais que discutirão, dentre outras coisas, pontos importantes da oftalmologia: avaliação da saúde ocular da população; as inovações em técnicas cirúrgicas, equipamentos, medicamentos e diagnósticos; os avanços na prevenção e no tratamento de problemas que comprometem a qualidade da visão.

Os mais de 1000 palestrantes, confirmados na programação, vão ocupar 18 salas com simpósios, painéis e eventos especiais coordenados por oftalmologistas representantes dos três idiomas: português, espanhol e inglês. Organizados pelo Conselho Brasileiro de Oftalmologia (CBO) em parceria com a Associação Pan-Americana de Oftalmologia (PAAO), os congressos contam com profissionais celebrados no meio, como destaca o Diretor de Comunicação do evento, Eduardo Dib:

"Os principais nomes da oftalmologia em todas as Américas estarão reunidos no Brasil", explicou. 

Outros destaques em pauta são: O olho biônico, que obteve avanços significativos nos últimos anos, aproximando o sonho de uma visão artificial; Oftalmologia e estética, com palestra do cirurgião plástico, Ivo Pitanguy; Cirurgias ao vivo, com apresentação de cirurgias de catarata com laser de femtossegundo, disponível no Brasil há mais ou menos 30 dias apenas; Transplante de córnea, que discutirá a padronização de condutas nos bancos de olhos em todo o mundo, situação ainda atrasada no Rio de Janeiro; A córnea artificial e genética; E a relação entre o glaucoma e a apneia do sono. 

Pesquisa influencia na pauta do Congresso

Um levantamento realizado pela KRC Research em 11 países, incluindo o Brasil, revelou que Cerca de 35,8 milhões de pessoas no Brasil têm dificuldade, ainda que leve, para enxergar. Outras 6,6 milhões têm deficiência visual severa e 582 mil são cegas. Entre principais causas de cegueira estão catarata (47%), glaucoma (12%), degeneração macular relacionada à idade – DMRI (9%), além de outras doenças importantes como ceratocone e retinopatia diabética.

A pesquisa ainda analisou o comportamento das pessoas em relação ao hábito de cuidar da visão e frequentar um oftalmologista. Quase 70% das pessoas preferem abrir mão de 10 anos de vida a perder a visão. Mesmo assim, menos de um terço destes vão ao oftalmologista na frequência necessária. 44% dos ouvidos acreditam que não precisam de exame oftalmológico a menos que haja um problema, e 42% entendem que, se podem ver, é porque os olhos estão saudáveis. Isso significa que muitas pessoas, quando buscam atendimento, já estão com a doença em estágio avançado. Preocupados, os participantes dos Congressos destacam a discussão destes novos dados no evento.