Brasileiros pensam ser melhores com tecnologia que a média global

O número de brasileiros entre 18 e 30 anos - a chamada geração do milênio, ou "millennials" - que acredita estar antenado com as novidades tecnológicas é maior que a média global. Esse dado faz parte de uma pesquisa divulgada nesta quinta-feira pela Telefônica e pelo Financial Times, que mostra que 26% dos "millennials" brasileiros acredita fortemente estar na vanguarda da tecnologia, contra 19% mundialmente.

A pesquisa mostra ainda que 91% dos jovens brasileiros descreve seu conhecimento pessoal e familiaridade com a tecnologia como bom ou excelente, contra 79% do resto do mundo. A pesquisa, cujos resultados foram revelados na conferência FT-Telefónica Millennials Summit: The Interactive Generation, em São Paulo, estudo com a geração do milênio, também conhecida como geração Y, que ouviu mais de 12 mil pessoas em 27 países, 1.028 delas no Brasil.

No Brasil, 92% dos entrevistados acreditam que a tecnologia facilita a transposição de barreiras de linguagem, em comparação a 87% em todo o mundo. Além disso, 85% crê que a tecnologia tornou mais fácil encontrar um emprego, contra 83% na média mundial

A pesquisa indica ainda que 80% da geração Y brasileira acredita poder fazer diferença em suas comunidades, em comparação a 62% no resto do mundo. Mais brasileiros também se sentem relevantes globalmente, com 58% dos pesquisados afirmando que podem fazer a diferença mundialmente, ante 40% dos entrevistados no resto do mundo.

Entre as maneiras mais importantes para fazer a diferença no mundo, os brasileiros destacaram a melhoria no acesso e na qualidade da educação (54%), proteção ao meio ambiente (45%) e eliminação da pobreza (43%).

Líderes

A pesquisa identificou que 18% dos jovens da geração Y brasileiros se destacaram dos demais, formando um grupo chamado de "líderes da geração do milênio", que acreditam estar na vanguarda da tecnologia. Mundialmente, esse índice ficou em 11%.

O estudo aponta ainda uma lacuna de gênero no Brasil: 32% dos homens consideram estar na vanguarda da tecnologia, contra apenas 21% das mulheres. Os dados mostram também que os homens brasileiros da geração do milênio têm duas vezes mais probabilidade de tornarem-se líderes da geração do milênio do que as mulheres da mesma geração (22% contra 13%).