Google: 55% das buscas no celular viram compras, aponta estudo

O Google apresentou nesta quarta-feira os resultados de um estudo sobre o uso em smartphones que concluiu que 55% das buscas na web são convertidas na primeira hora após a exibição dos resultados. A pesquisa foi conduzida com o Nielsen, segundo o TechCrunch. 

"Vemos esse efeito imediato no mobile porque as pessoas não só estão potencialmente mais perto no sentido físico de efetuar uma compra, mas também estão mais próximos dos momentos de decisão final", explica Ben Chung, gerente de marketing de produto do Google. 

O estudo apontou que 45% das buscas realizadas em dispositivos móveis são realizadas para ajudar a tomar uma decisão. A maior parte das pesquisas mobile (77%) são feitas de casa ou do trabalho, mas têm um propósito quando o usuário está em uma loja: é desse último local que 66% das buscas ajudam em decisões. 

Além de apoiarem decisões, as buscas feitas em smartphones e tablets também levam a outras ações, em três quartos dos casos. O usuário realiza uma segunda pesquisa em 36% das vezes, e em 25% acaba visitando um site. As compras e as ligações telefônicas são o segundo passo de 17% e 7%, segundo o estudo. 

O estudo, segundo o chefe de vendas mobile do Google, Jason Spero, ao TechCrunch, se baseia em um "diário de buscas" que os entrevistados mantiveram sobre seus hábitos durante duas semanas. Depois de 24 horas dessas pesquisas, eles recebiam um questionário para falar sobre o resultado da procura. 

Ao todo, o Google acumulou 6.303 buscas e 1.958 respostas sobre essas pesquisas. Havia, ainda, um formulário final, que foi respondido por 323 entrevistados. 

"Essas são medidas mais precisas para o que antes fazíamos antes por instinto", explica Spero ao site especializado em tecnologia. "Temos muito interesse no contexto pós-pesquisa, e temos analisado isso de muitos ângulos diferentes. É uma missão crítica para nós", diz o chefe de vendas.

A ideia do Google é entender o comportamento mobile para criar produtos de anúncios baseados no uso real dos smartphones e tablets, e também para explicar aos clientes porque suas ferramentas valem o investimento.