EUA acusam hackers por invasão de 1 milhão de computadores

Promotores federais americanos acusaram nesta semana três cibercriminosos que se infiltraram em mais de 1 milhão de computadores em todo mundo, incluindo 160 da Nasa, com um vírus chamado Gozi. De acordo com o documento judicial, os três hackers usaram o malware para roubar dados bancários de dezenas de milhares de pessoas, resultando em prejuízos de "dezenas de milhares de dólares". As informações são do site The Verge.

Os três homens foram acusados de fraude de conspiração bancária, fraude de acesso a dispositivo e invasão a computador. Um dos hackers, o russo Nikita Vladimirovich Kuzmin, 25 anos, é acusado de criar o vírus e se declarou culpado. Nos últimos dois anos, ele cooperou com as autoridades para prender os outros dois, o romeno Mihai Ionut Paunescu e o letão Deniss Calovskis.

Acredita-se que Calovskis foi o responsável por modificar o código original do malware, o que permitiu que ele se imitasse de forma mais precisa sites de bancos, enquanto Paunescu é acusado de operar centro de controle e comando "à prova de balas", que reunia as informações das vítimas e as fornecia a clientes criminosos.

A ideia do vírus foi de Kuzmin, que desenvolveu o vírus em 2005 e começou a alugá-lo par aoutros criminosos. Espalhado em arquivos PDF, o Gozi começou a se espalhar pela Europa em 2007, chegando aos EUA em 2010. Uma das vítimas do malware perdeu mais de US$ 200 mil de sua conta bancária. Kuzmin pode pegar até 95 anos de prisão, enquanto Calovskis e Paunescu enfrentam penas máximas de 67 e 60 anos, respectivamente.