Apple pede patente de tênis que avisa quando está velho demais

Sensores na sola identificam quando calçado já não oferece conforto e proteção

Apple pediu registro de patente de tênis com sensores para avisar ao usuário quando é hora de comprar um novo sapato. O pedido foi feito em julho de 2012, mas só veio à tona nesta quinta (24), graças ao AppleInsider, que divulgou as imagens do "sapato inteligente", como chamou o dispositivo.

Segundo a descrição da patente, a Apple argumenta que os sapatos não servem só para proteger os pés e dar conforto à caminhada, mas também garantem estabilidade durante práticas desportivas e corridas. Mas o uso continuado diminui o apoio que os sapatos dão nesse sentidos, e dependendo de quão gastos podem até causar prejuízos ao usuário. A ideia do sapato inteligente é que mesmo que o sapato não demonstre estar tão gasto, o usuário saiba que o calçado já não oferece a proteção e suporte devidos.

O sistema de alerta teria essencialmente três componentes: o sensor que percebe quão gasto está o sapato, um processador para os dados colhidos pelo sensor; e um alarme para avisar ao usuário sobre a situação do calçado. Os sensores poderiam ser acelerômetros, piezelétricos ou de pressão por exemplo. Os dados seriam processados a partir de algoritmos específicos de cada fabricante sobre o ponto em que o calçado chegou ao limite.

A alimentação do sistema seria feita ou por uma bateria interna, ou por algum mecanismo de geração mecânica de energia - o TechCrunch questiona por que, se o dispositivo estará em algo em constante movimento, não há alimentação por energia cinética.

O alerta ao usuário poderia ser tanto uma luz de LED externa quando um sinal sonoro, além da possibilidade de usar um display externo. Em algumas descrições da patente também está presente uma interface wireless, o que sugere que o calçado inteligente poderia transmitir dados para um iPhone ou iPad, por exemplo.

Todos esses componentes estariam na sola do sapato, de acordo com as ilustrações do processo apresentado ao escritório americano de patentes. Mas também poderiam ser alojados, de acordo com a Maçã, em qualquer outro lugar do calçado em que haja amplo espaço para o circuito.

O "smart shoe", como foi apelidado em inglês o sapato inteligente, não é a primeira iniciativa da Apple nem em gadgets de vestir nem especificamente em sapatos. No ano passado Cupertino divulgou óculos de realidade aumentada, e também já registrou um calçado com o objetivo de ajudar o usuário nos exercícios físicos. Sobre este último dispositivo, à época, a Maçã afirmou estar em busca de um aparelho que fizesse medições reais, em vez de confiar em informações que o próprio usuário insere sobre sua rotina e suas atividades.