Cérebro artificial imita percepção humana e consegue agir

Um modelo computadorizado do cérebro humano composto por 2,5 milhões de "neurônios" simulados conseguiu se assemelhar a diferentes regiões do órgão em funcionamento. Spaun (Semantic Pointer Architecture Unified Network, ou Rede Unificada Indicadora de Arquitetura Semântica, em tradução livre ao português), está longe de conseguir replicar o cérebro humano; porém, pode simular uma grande variedade de comportamentos complexos, conforme pesquisa publicada na edição desta semana da revista científica Science.

Spaun pode ajudar pesquisadores a preencher a lacuna existente entre o estudo dos comportamentos observados em animais e as complexas atividades acontecendo em seus cérebros, ainda hoje de difícil compreensão. Spaun é capaz de reconhecer números, lembrar de listas e até mesmo escrever esses dados utilizando um braço mecânico. 

Essas tarefas simples, que parecem não requerer grande esforço para humanos, capturam os aspectos vitais da percepção, cognição e comportamento, de acordo com pesquisadores como Chris Eliasmith, parte da equipe de cientistas responsável pelo projeto.

No entanto, comparada à complexidade das redes neurais biológicas, o modelo ainda é relativamente simples e limitado, incapaz de aprender a realizar novas tarefas. Ainda assim, o programa Spaun - que consegue ser aprovado em testes básicos de QI (quociente de inteligência) - representa uma descoberta importante para a ciência, e pode contribuir para a melhor compreensão de diversas áreas do sistema nervoso.