Lêmingues foram extintos cinco vezes e voltaram geneticamente mudados

Conhecidos por "cometerem suicídio" em determinadas circunstâncias, os lêmingues da Europa Ocidental foram considerados extintos por cinco vezes durante a última Era do Gelo, especialmente por causa de fatores ligados a mudanças climáticas, aponta um estudo. 

A descoberta também lança dúvidas sobre as alegações de que os humanos haviam sido os responsáveis pelo desaparecimento desse e de outros mamíferos durante o período. A informação foi publicada nesta quarta no Daily Mail.

"Ao nos concentrarmos em um pequeno mamífero, podemos eliminar a possibilidade de termos tido impacto significante no tamanho da sua população - lêmingues são muito numerosos e prolíficos. Assim, as grandes mudanças na população devem estar ligadas a mudanças climáticas mais amplas", explica Ian Barnes, pesquisador da Universidade de Londres.

"Além dos lêmingues possuírem uma injusta reputação de pularem de penhascos, eles são presas importantes para muitos animais do ártico, e tirá-los de um ecossistema teria um grande impacto nos predadores", reforça Selina Brace, que também faz parte do grupo de pesquisas.

Os cientistas já sabiam que a Era do Gelo havia levado a uma diversificação de várias espécies. Porém, o novo estudo, publicado na Academia Nacional de Ciências, demonstra que esse período foi também importante para estudos sobre extinção. Os lêmingues da Europa Ocidental foram eliminados cinco vezes nessa época, mas cada extinção foi seguida de uma recolonização com animais geneticamente diferentes.

"Isso é algo incomparável entre mamíferos. Ficamos realmente surpresos com esse resultado", disse Eleftheria Palkopoulou, do Museu Sueco de História Natural, coautor do Estudo.