DF bate novo recorde em transplante de rins

O Distrito Federal bateu neste ano o próprio recorde em transplante de rins com doadores falecidos. De janeiro até 14 de novembro de 2012, foram realizadas 70 operações dessa natureza. O recorde anterior foi registrado em 2000, com 55 transplantes. 

Atualmente, os hospitais de Base, com 60% dos procedimentos, e o Universitário de Brasília (HUB) são os responsáveis no DF por esse tipo de operação.Além disso, o último levantamento realizado pela Agência Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO) revelou que o Distrito Federal ocupa o quarto lugar no ranking nacional de transplante de rins por milhão de habitantes.Até 30 de setembro, registrou-se média total de 38,4 operações. 

O Rio Grande do Sul é o primeiro colocado, com 50,5 transplantes; seguido de São Paulo, com 47,7; e Paraná, com 41,0. Em números totais, foi apurado pela ABTO que, até setembro, 74 transplantes de rins ocorreram no DF, contando doadores vivos (8) e falecidos (66).

Segundo a coordenadora da Central de Captação de Órgãos da Secretaria de Saúde, Daniela Salomão, o aumento no número de transplantes de rins por doadores falecidos é resultado da combinação de melhorias no sistema. “Aumento na capacidade de avaliar pacientes, melhor coordenação do processo e da captação de órgãos.Tudo isso contribui”, afirmou Salomão. 

“Mas existe também uma credibilidade maior no processo. Quando a família acredita no sistema, ela doa”, completou.

De acordo com os registros da Secretaria de Saúde, o DF conquistou, neste ano, o primeiro lugar nacional em número de transplantes de coração e córnea por milhão de habitantes – as filas de espera por essas operações foram zeradas este ano. Também alcançou o quarto lugar na realização de transplante de fígado.

O último levantamento do Ministério de Saúde aponta o Distrito Federal como a unidade federativa com a quarta maior alta em transplantes com 333 procedimentos, em comparação ao mesmo período de 2011.