Justiça nega eutanásia a britânico com síndrome rara

O Supremo Tribunal britânico rejeitou nesta quinta-feira derrubar a lei da eutanásia para permitir que os médicos acabassem legalmente com a vida de um homem que sofre de síndrome de encarceramento. 

Tony Nicklinson sofreu um derrame em 2005 que o deixou incapaz de falar ou se mover do pescoço para baixo.

Em janeiro, aos 58 anos, Nicklinson pediu ao Supremo Tribunal que garantisse que não acusaria de homicídio qualquer médico que aceitasse acabar com a sua vida, com o seu consentimento.

Hoje, a Suprema Corte concluiu que tal decisão cabe ao Parlamento. Os juízes afirmaram que o caso "é trágico", mas que não cabe ao tribunal mudar a lei da eutanásia.