Abusos físicos causam danos a longo prazo em crianças asiáticas 

Um novo relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) aponta para danos a longo prazo em crianças asiáticas que sofrem abusos físicos. O documento "Maus Tratos Infantis: Prevalência, Incidência e Consequências no Leste da Ásia e Pacífico", analisa estudos de acadêmicos e especialistas, realizados na última década.

Segundo o Unicef, a região tem 580 milhões de crianças, representando um quarto do total mundial. Apesar da frequência variar de país para país, o estudo sugere que pelo menos uma em cada 10 crianças sofre violência física.

No pior cenário, 30% passam por abuso no leste asiático e Pacífico. Formas severas incluem espancamento e outros atos que resultam em lesões corporais.

Segundo o Unicef, entre 14% e 30% dos meninos e meninas da região relataram experiências de abuso sexual. O Fundo nota que os danos são sérios e de longa duração.

Crianças que são abusadas, negligenciadas ou exploradas tem mais chances de ficar deprimidas e ter outros tipos de problemas de saúde mental. O Unicef também afirma que elas correm mais risco de pensar ou tentar suicídio e ter comportamentos de alto risco.

O relatório será lançado oficialmente nesta quarta-feira, em uma reunião em Bangcoc, na Tailândia, com especialistas de governos, da ONU e da sociedade civil.