Eleitores preferem votar em candidatos com voz grave

Os eleitores têm uma preferência marcante por candidatos com voz grave, sejam homens ou mulheres, demonstrou um estudo publicado nesta quarta-feira.

Para tentar avaliar a influência do tom de voz nos eleitores, cientistas americanos realizaram testes com voluntários, estudantes universitários ou simples pedestres.

Inicialmente, eles gravaram 17 mulheres e dez homens afirmando "Eu os convido a votar em mim em novembro", numa referência implícita às eleições presidenciais americanas, previstas para este ano.

Em seguida, os cientistas modificaram eletronicamente as gravações originais para produzir uma versão grave e outra versão bem mais aguda.

Cada um dos participantes ouviu, através de um capacete, as duas vozes e precisava dizer em qual votaria em caso de eleição.

Independentemente das vozes serem femininas ou masculinas, a maioria dos participantes (60%, em média) daria seu voto à voz mais grave, resumiu o estudo, publicado na revista britânica Proceedings of the Royal Society B. Tanto homens quanto mulheres demonstraram ter esta preferência.

Mas isto significa que as mulheres seriam menos bem sucedidas na política por causa da voz, geralmente mais aguda do que a dos adversários masculinos?

"No mundo, as mulheres são amplamente sub-representadas em cargos de responsabilidade. Mesmo que a discriminação sexual seja uma causa evidente dessa sub-representação das mulheres como dirigentes, nossos resultados sugerem que as diferenças biológicas entre os sexos e nossas reações a essas diferenças biológicas podem constituir um fator suplementar", respondeu Casey Klofstad, do Departamento de Ciências Políticas da Universidade de Miami, nos Estados Unidos.

Em uma experiência em separado, as "cobaias" foram convidadas a avaliar as "qualidades" das vozes que ouviam e deveriam dizer qual das duas consideravam a mais "competente", a mais "determinada" e a mais "digna de confiança".

Surpresa! Se os ouvintes dos dois sexos consideram que as vozes femininas mais graves são também as mais competentes e seguras, apenas os homens percebem estas qualidades nas vozes masculinas mais baixas, destacaram os cientistas.

Segundo o estudo, para as mulheres, o tom da voz de um homem não parece determinante para julgar sua competência no contexto de uma eleição.

A lendária voz de baixo do falecido Barry White não seria, portanto, suficiente para elegê-lo presidente dos Estados Unidos.