Pesquisa mostra desconhecimento da população sobre o diabetes

Um levantamento realizado pela Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD), com apoio da Bayer HealthCare, e participação de mais de 2 mil pessoas confirma: a população ainda tem dúvidas sobre o que é o diabetes e como a doença pode ser controlada. De acordo com a pesquisa, 38% dos entrevistados acreditam que o diabetes tem cura e menos da metade dos entrevistados (49%)soube defini-la. E mais: apenas 50% dos participantes afirmaram que um diabético pode levar uma vida normal.

 No entanto, é importante que todos saibam como prevenir essa que é uma das doenças crônicas que mais avança entre a população mundial. Dados da Federação Internacional do Diabetes estimam que hoje existam cerca de 250 milhões de pessoas com a doença em todo o mundo e esse número deve chegar a 380 milhões em 2025.  Somente no Brasil, estima-se que cerca de 11 milhões de pessoas tenham diabetes atualmente. “O aumento de casos de diabetes, especialmente do tipo 2 em países em desenvolvimento, decorre de alguns fatores como aumento da obesidade, do sedentarismo, dos maus hábitos alimentares e do próprio envelhecimento da população”, explica o Dr. Walter Minicucci, vice-presidente da SBD e médico assistente da Disciplina de Endocrinologia da Unicamp.

O levantamento informa, ainda, que 69% dos participantes demonstraram conhecimento sobre os fatores de risco para o diabetes e 63% das pessoas disseram que conhecem alguém com o problema e, entre os que conhecem um diabético, 49% disseram que essa pessoa é membro de sua família. Além disso, 51% dos entrevistados não sabiam diferenciar os tipos da doença: tipo 1, tipo 2 e diabetes gestacional. Já 85% desconhecem ou subestimam o número de diabéticos no Brasil, sendo que 61% dos participantes acredita que existem cerca de 2 milhões de pessoas com diabetes no País

De acordo com o Dr. Minicucci, é fundamental que as pessoas sejam mais informadas sobre como prevenir e tratar o diabetes. Quando não controlada adequadamente, a doença pode acarretar complicações graves como retinopatia diabética – que pode causar perda visual definitiva –, catarata precoce, alteração da função renal que pode levar o paciente para a hemodiálise, alterações neurológicas que podem ocasionar dores em membros inferiores e atrofias musculares e complicações cardiovasculares (infarto do miocárdio e acidente vascular cerebral - AVC). “Mas também é preciso lembrar que nada disto ocorrerá se o tratamento for efetivo e contínuo”, reforça o especialista.

“Uma rotina de atividades físicas deve ser incorporada por quem quer prevenir a doença e faz parte do tratamento dos pacientes com diabetes”, conta Dr. Walter Minicucci. A prática de exercícios físicos é importante, pois colabora para a redução dos níveis de glicemia no sangue e melhora a ação da insulina. Além disso, ajuda a manter um peso adequado.

Para o endocrinologista, a obesidade é uma das grandes vilãs quando o assunto é diabetes: “As pessoas com excesso de gordura no corpo, principalmente aquela concentrada na região abdominal, precisam emagrecer para diminuir os riscos de desenvolver o diabetes tipo 2”, explica o médico. “Para os homens, o ideal é manter a medida da cintura abaixo dos 102 cm, já para as mulheres, o melhor é a medida abaixo dos 88 cm”, afirma o Dr. Minicucci.