Rede social é principal motivo de uso da web por brasileiros

Uma pesquisa da Fecomércio-RJ/Ipsos divulgada recentemente revela que o percentual de brasileiros conectados à rede mundial de computadores passou de 27%, em 2007, para 48%, em 2011. Segundo o estudo, os brasileiros estão mais conectados a cada ano, sendo que o acesso à internet quase dobrou nos últimos quatro anos: se em 2007, 27% da população tinham acesso à rede, este ano este percentual chegou a 48%.

Os principais motivos que levam as pessoas a usar a internet são o contato com os amigos (50%) e trabalho (27%). Os tipos de sites mais acessados são redes sociais (61%), de pesquisas (48%), e-mails (34%), de notícias (34%), de diversão (17%) e de serviços (17%). Em relação ao local de acesso, 62% dos internautas informaram que usam a internet em casa, 15% em lan houses, 15% no trabalho e 6% em casas de parentes e/ou amigos.

A frequência do uso também aumentou. Entre os brasileiros conectados, 47% afirmam que se conectam diariamente à rede mundial de computadores, ao passo que 33% acessam mais de uma vez por semana e 12% uma vez por semana.

Quanto ao tempo de conexão, 55% dos internautas passam de 30 minutos a duas horas ligados na web; 23% permanecem conectados entre duas e quatro horas; e 14% ficam menos de meia hora.

A principal razão para a difusão da internet no País está no crescimento na venda de computadores, em função do aumento do poder aquisitivo da população nos últimos anos, incentivado pelo crescimento do emprego formal e do acesso ao crédito.

Também contribuíram para esse processo o avanço da tecnologia, o comportamento do dólar nos últimos anos, que favoreceu a importação de produtos e peças, o apelo que a internet ganhou entre a população, inclusive sob influência das redes sociais, e a isenção de PIS e Cofins sobre a venda de computadores e seus componentes, em vigor até 2014.

O número de brasileiros que fazem compras online também aumentou, passando de 13%, em 2007, para 20% neste ano. Os itens mais adquiridos pela internet são eletrodomésticos (com 36% de adesão entre os compradores), CDs e DVDs (20%), livros (16%) e ingressos para cinemas ou similares (7%).

Em relação aos valores gastos nas compras da internet, 22% dos consumidores virtuais informaram ter desembolsado de R$ 100 a R$ 200; 21% de R$ 200 a R$ 500; 19% acima de R$ 1.000,00; e outros 19% até R$ 100. Neste ano, as formas de pagamento mais utilizadas são cartão de crédito (66%), boleto bancário (28%) e débito em conta (3%).

Para 38% dos entrevistados, a comodidade é a maior vantagem de realizar compras pela internet, seguida por preços (33%) e facilidade para pesquisar (11%). Apesar do aumento de compras pela internet, 80% dos internautas ainda não adquirem bens pela web, porque não acham seguro (69%) ou porque têm receio em relação à qualidade do produto (26%).

Questionados sobre a principal dificuldade em acessar a internet, 43% dos que não acessam a rede alegaram falta de conhecimento de uso do computador (ante 49%, em 2007); 38% informaram que não tinham o eletroeletrônico (em 2007 eram 56%); e 30% não tinham interesse em se conectar (contra 17%, em 2007).

A pesquisa foi realizada com mil entrevistados, de 70 cidades, incluindo nove regiões metropolitanas do País.