Pai biológico diz que sucesso de Jobs não pode ser atribuído a ele

O pai biológico do cofundador da Apple Steve Jobs, Abdulfatá John Jandali, mandou durante todo o ano passado emails ao filho que nunca conheceu. Não se sabe se as mensagens, que desejavam feliz aniversário ou que o executivo estivesse melhor de saúde, chegaram a ser respondidas. As informações são do jornal espanhol El País, que publicou neste sábado um perfil do homem que deu Steve Jobs para adoção. Segundo uma fonte próxima à família, Jobs nunca retornou os emails, mas Jandali afirma que seis semanas antes da sua morte, o executivo respondeu uma delas com um simples "obrigado".

O pai biológico de Jobs, que é diretor de um cassino em Las Vegas, é elogiado pelos colegas pela liderança tranquila e sua habilidade de marketing, segundo o jornal. Jandali, que também é pai de Mona Simpson, uma respeitada escritora americana que também cresceu longe de Jandali e com quem tem uma relação tensa, diz que não pode ser atribuído a ele o êxito dos seus filhos. Amigos dizem que a distância entre ele e os filhos lhe causaram uma grande tristeza ao longo dos anos.

Jandali descobriu ser pai de Jobs apenas em 2005. Os contatos com o filho começaram no último ano, com as notícias da piora de saúde do executivo "Não sei por que fiz isso. Suponho que porque me senti mal quando soube do seu estado. Ele tinha sua vida e eu a minha. Se tivéssemos nos falado, não sei o que teria lhe dito", afirmou ao El País. O jornal afirma que conhecidos de Jandali contam que Jobs e o pai tinham em comum a capacidade intelectual e o instinto para compreender o desejo dos consumidores, mas Jandali prefere ficar longe dos holofotes.

Jandali contou ao jornal espanhol que nunca se deu muito bem com tecnologia, mas se considera um "early adopter", um consumidor que tem pressa em adotar novos produtos. Todos os seus computadores são da Apple, e ele afirma ter comprado todos os modelos de iPhone lançados até ahoje, além de um iPad, que usa para atualizar seus perfis no Orkut e no Twitter.

Jobs nasceu da relação de Jandali com a estudante Joanne Schieble enquanto fazia seu doutorado na Universidade de Wisconsin. Como os pais dela não aprovavam a relação, Jobs foi dado para adoção. Os dois acabaram casando tempos depois, após a morte do pai dela, e se mudaram para a Síria. Ela retornou pois estava infeliz no local, e deu à luz a sua segunda filha, Mona, nos Estados Unidos. A escritora cresceu distante do pai, e um de seus livros, The Lost Father (O pai perdido, em tradução livre), conta a história de uma mulher à procura do pai que nunca conheceu. Segundo o El País, Jandali se reconheceu no livro escrito pela filha. "É o preço que se paga por não estar lá para o seu filho. Apesar de não vê-la, eu a amo", disse ao jornal espanhol. Mona e Jobs tiveram uma relação muito próxima nos últimos anos.

Steve Jobs morre aos 56 anos

O cofundador e ex-presidente do conselho de administração da Apple morreu em 6 de outubro aos 56 anos, vítima de um câncer no pâncreas que vinha tratando desde 2003. Perfeccionista, criativo, inovador e ousado, ele ajudou a tornar os computadores mais amigáveis e revolucionou a animação, a música digital e o telefone celular. Jobs marcou o mundo da tecnologia ao apresentar produtos como o Macintosh, o iPod, o iPhone e o iPad. Afastado da empresa desde 17 de janeiro para cuidar da saúde e sem prazo para voltar, o executivo renunciou ao cargo em 24 de agosto. "Sempre disse que, se chegasse o dia que eu não pudesse mais cumprir minhas funções e expectativas como CEO da Apple, seria o primeiro a informar. Infelizmente, esse dia chegou", dizia a nota à época.

A saúde de Jobs virou notícia em 2004, quando ele anunciou que passara por uma cirurgia para remover um tipo raro de câncer pancreático, diagnosticado em 2003, e que a operação fora bem-sucedida. Depois, em 2009, Jobs fez um transplante de fígado e ficou afastado da companhia que fundou ao lado do engenheiro Steve Wozniak por vários meses. Mesmo com as licenças, Jobs continuou ativo na tomada de decisões da empresa, chegando se reunir a portas fechadas com o presidente americano, Barack Obama, em fevereiro, e lançar o iPad 2, em março, surpreendendo ao subir ao palco para apresentar o produto.

Detalhes do estado de saúde de Jobs sempre foram um mistério. Uma fotografia que mostrava o executivo muito magro e com aparência debilitada (sobre a qual recaíram suspeitas de manipulação) foi publicada pelo site americano de celebridades TMZ dois dias após ele ter deixado o cargo de presidente-executivo da Apple. Em fevereiro, Jobs foi fotografado pelo jornal americano The National Enquirer na mesma clínica onde o ator Patrick Swayze, morto em setembro de 2009, recebeu tratamento para câncer de pâncreas.