Empresários da internet pedem ao G8 livre acesso à Rede

Grandes empresários do setor da internet, que participam nesta quinta-feira da cúpula do G8, pediram aos países participantes garantias do livre acesso à Rede. Entre os presentes, está o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, que trocou seu habitual traje despojado por um clássico terno e gravata.

O jovem milionário de 27 anos, que na véspera participou do e-G8 - encontro que reuniu em Paris a "nata" da internet - disse estar honrado em ser recebido pelos líderes dos oito países mais industrializados e "feliz por desempenhar o papel destinado a ele".

"A internet é uma força poderosa que dá voz a muita gente", afirmou Zuckerberg aos jornalistas em Deauville, no noroeste da França.

Os empresários pretendem entregar aos chefes de Estado e de Governo as conclusões a respeito do e-G8.

"Pedimos por unanimidade que se garanta um acesso livre e gratuito à internet a todos os habitantes do planeta", declarou Maurice Lévy, organizador do encontro em Paris, que pretende fazer dele uma reunião anual.

"Sim, temos que proteger a propriedade intelectual, mas não podemos criar uma situação na qual a internet não possa crescer e se desenvolver", acrescentou.

Ele também pediu que os governos "invistam maciçamente" em banda larga para evitar que a quantidade crescente de informações cause um colapso do sistema.

Já o presidente do grupo Google, Eric Smith, disse que os governos que impedem o acesso da população à internet, como Síria e Irã, cometem um "terrível erro".

A cúpula do G8, que terminará na sexta-feira, irá debater o papel dos governos na regulação da internet "junto ao setor privado, aos usuários e outras partes interessadas" para criar um "ambiente na qual a internet possa crescer de forma equilibrada", de acordo com o projeto de declaração final ao qual a AFP teve acesso.