Microsoft acessa dados do botnet Rustock

Investigadores da Microsoft encontraram 420 mil endereços de e-mail em um disco rígido de um servidor infectado no caso criminal contra os cabeças do botnet Rustock, responsável pelo maior esquema de spam do mundo. Documentos de Cortes delinearam o 'segundo relatório' de status da Microsoft, que revelaram que as análises iniciais foram feitas a partir dos HD's dos 20 réus. As informações são do site v3.co.uk.

"A análise inicial de uma das unidades indicaram que o sistema associado com a unidade utilizou um modelo de e-mail com as marcas Bing, Viagra, Vicodin eValium. Evidências adicionais do papel do sistema em disseminação de spams também foram descobertas, incluindo softwares padronizados relacionados com elaboração de e-mails contendo milhares de endereços de e-mail e combinações de usuário e senha", diz o relatório.

A unidade de crimes digitais da Microsoft retirou o golpe em março, quando ela conseguiu obter um mandado judicial para confiscar vários servidores de hospedagem locais, escoltados por militares.

O botnet foi responsável em certo momento por enviar mais de metade dos spams do mundo. Depois de ser desligado o servidor, os níveis de spam na rede caíram um terço.

A investigação ainda revelou que os cabeças do Rustock roubaram cartões de crédito para comprar registro de domínio e e-mails. A Microsoft conseguiu identificar um dos suspeitos: o russo Vladimir Alexandrovich Shergin, de Moscou.

A Microsoft ainda enviou cópias da denúncia e intimação judicial para todos os e-mails que identificou.