Necrópsia revela que o urso Knut morreu afogado

BERLIM - O urso Knut, estrela do zoológico de Berlim que morreu na semana retrasada, afogou-se depois que uma convulsão cerebral fez com que ele perdesse o equilíbrio e caísse na água, de acordo com os resultados preliminares da necrópsia, divulgados nesta sexta-feira.

"Knut se afogou depois de uma grave convulsão cerebral, provavelmente causada por uma infecção", indicou Heribert Hofer, diretor do Leibniz Institute for Zoo and Wildlife Research, que conduziu o exame.

O urso polar, que tinha quatro anos e três meses de idade, morreu no dia 19 de março. Ele caiu na água, no espaço que ocupava no zoológico de Berlim, em frente a uma multidão de visitantes.

Knut ficou famoso ao ser rejeitado pela mãe e criado diante de câmeras do mundo inteiro. Sua primeira aparição pública, em 2007, foi acompanhada por mais de 100 equipes de televisão, enquanto o zoo de Berlim faturava alto com todo tipo de produto ligado ao urso.

Seu corpo será entregue ao Museu de História Natural da capital alemã, onde deve ser integrado a uma exposição sobre as mudanças climáticas, segundo Ferdinand Damaschun, diretor do museu. "O animal, entretanto, não será empalhado. Ao invés disso, continuará a existir no chamado dermoplástico", e manterá sua pelagem original, explicou Damaschun.

O diretor do museu preferiu não revelar quando a exposição com Knut será inaugurada. "Faremos tudo com calma", afirmou.

Esta semana os fãs de Knut haviam se mobilizado contra o projeto de empalhar o urso. "Knut não pode ser empalhado. Quando é que vocês vão entender a mensagem?", escreveu Michael S. no livro de condolências on-line do zoo de Berlim (www.zoo-berlin.de), cheio de mensagens do mesmo gênero.

Na internet e nas ruas, admiradores do animal recolhem assinaturas para protestar contra a empalhação e exposição de Knut no Museu de História Natural de Berlim. Segundo uma pesquisa realizada com 2.400 pessoas e publicada no tabloide berlinense BZ, uma ampla maioria (73%) se opõe à ideia de ver o animal morto exposto em um museu.

Os fãs do urso acusam o zoológico, que já arrecadou milhões de euros graças à comercialização de pelúcias e outros produtos de Knut, de querer continuar se aproveitando da "galinha de ovos de ouro". Eles defendem a cremação do animal. "Se ele for incinerado ou enterrado em um caixão, ninguém vai tirar benefício disso. E ninguém vai obrigar as pessoas que querem continuar se lembrando dele da forma como era quando vivo a ir ao museu", acrescentou Michael.