Bactéria resistente provoca morte de dois bebês em UTI neonatal de Maceió

MACEIÓ - Pelo menos dois recém-nascidos morreram no Hospital Universitário (HU) de Maceió devido à bactéria Acinetobacter entre fevereiro e março deste ano. A UTI neonatal foi interditada. Sem a unidade, a maternidade da instituição também precisou ser fechada. As mães e os bebês que estão internados deverão ser transferidos para outros hospitais. Um terceiro recém-nascido, segundo a assessoria de imprensa do hospital, possuía uma má-formação e não é possível afirmar se a morte foi causada pela bactéria.

Segundo a Secretaria da Saúde de Alagoas, técnicos da Vigilância Sanitária estiveram no hospital na manhã desta sexta-feira e deveriam ir também ao Hospital Geral do Estado, onde um idoso de 70 anos, que morreu em 25 de março, esteva internado antes de ser encaminhado ao HU. Ele contraiu a bactéria embora não seja possível afirmar que tenha sido a causa da morte. Ainda não havia informações sobre os dados coletados por eles.

De acordo com o diretor-técnico do Hospital Universitário, Alberto Fontan, não se trata de uma superbactéria, mas ele admite que a Acinetobacter é resistente a antibióticos. Outra paciente internada no HU também estaria com a contaminação. Segundo o diretor, as demais áreas da instituição estão isoladas para evitar a disseminação da bactéria.