3D sem óculos e em dispositivos móveis é o futuro, diz revista

O grande "boom" do 3D ainda pode estar por vir. A chave pode estar nos dispositivos em 3D que dispensam o uso de óculos de acordo com texto recente da revistaNew Scientist. O mercado de televisores ainda pode balançar muito com as futuras mudanças e a novidade pode acabar sendo um verdadeiro divisor de águas, ainda que as previsões digam que esteja um pouco distante.

Dispositivos como o Nintendo 3DS e as câmeras 3D Fujifilm permitem a visão tridimensional sem óculos, mas são restritos a jogos e fotos, respectivamente. Além disso, a tecnologia ainda tem certas limitações. Se o jogador do Nintendo se mover em determinada forma, pode "perder" a visão em 3D. O Optimus 3D, smartphone da LG, também possibilita a visão tridiomensional sem óculos, o que já acontece no Evo 3D, da HTC. Todos esses aparelhos apontam para um novo caminho dentro da tecnologia 3D.

No caso da televisão, no entanto, informa a revistaNew Scientist as companhias estão só na tentativa, por enquanto, ou lançando aparelhos com limitações. A Toshiba lançou a Regza GL1 em dezembro do ano passado no Japão. Com o dispositivo, é possível enxergar em 3D sem óculos, mas somente a, no máximo, um metro da televisão e em um ângulo de até 40 graus. A estimativa da Samsung, inclusive, é pessimista. A empresa acredita que o lançamento da televisão com 3D sem óculos será "muito difícil" em menos de 10 anos.

Para o futuro, a aposta da New Scientist é de que, com a demora para o advento das televisões sem óculos, a perspectiva seja muito boa para o mercado de dispositivos móveis por um bom tempo. Além do Optimus 3D da LG e do Evo 3D da HTC, a revista lembrou que o Google já está com um aplicativo 3D do YouTube em funcionamento no Android e deve ser uma das empresas que mais venha a ganhar com a popularização do 3D. Por ora, é esperar esses smartphones chegarem aos mercados para descobrir o a terceira dimensão pode fazer por um celular.