Apple: App Store não é uma marca tão genérica quanto Windows

A Apple segue lutando para registrar o termo "App Store" como marca. Após a Microsoft entrar na Justiça tentando barrar o registro do termo alegando que a companhia não podia se apropriar de uma frase genérica, a empresa de Cupertino se defendeu dizendo que "App Store" não é tão genérico quanto a marca "Windows" (janela, em inglês).

Em janeiro, a Apple pediu ao escritório de patentes dos Estados Unidos o registro do termo "App Store" como de propriedade da empresa, mas a Microsoft entrou na briga dizendo que a Apple não pode impedir os concorrentes de utilizar um nome genérico para denominarem suas lojas de aplicativos. "Estando ela mesma em um desafio de décadas para reivindicar a marca genérica Windows, a Microsoft deveria estar ciente de que o foco na avaliação do que é genérico está na marca como um todo e exige uma avaliação intensiva desde o significado primário do termo até o significado para a maioria do público-alvo", afirmou a Apple no documento enviado ao órgão.

A Apple diz ainda que a Microsoft não está avaliando a forma como o público-alvo entende o termo "App Store", e que somente por que os termos "app" (aplicativo) e "store" (loja) são genéricos, não quer dizer que a marca "App Store" seja. Em sua defesa, a empresa também incluiu o testemunho de um linguista dizendo que "App Store é usado predominantemente como um nome próprio para se referir à loja de aplicativos" da companhia. Além disso, a Apple defende que o mercado têm encontrado outras formas de descrever suas lojas de aplicativos sem utilizar o termo "App Store", e citou a própria Microsoft, que usa "Marketplace" como marca do seu serviço e "virtual store for apps" (loja virtual de aplicativos) para descrevê-lo.