Encontro em Foz do Iguaçu debate mudanças climáticas e medidas emergenciais

CURITIBA - As últimas descobertas científicas sobre mudanças climáticas e as medidas urgentes que devem ser tomadas para conter as consequências ambientais serão tema da abertura do 8º Encontro Anual Cultivando Água Boa, programa socioambiental da Itaipu Binacional, premiado internacionalmente. A palestra inaugural, hoje, em Foz do Iguaçu, será do pesquisador titular do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Carlos Nobre.

Até sexta-feira (19), os cerca de 4 mil participantes vão ouvir palestras de pessoas envolvidas com o dia a dia do programa. São catadores de materiais recicláveis, pescadores, agricultores, professores, técnicos ambientais. Segundo o diretor de Coordenação da Itaipu, Nelton Friedrich, essas pessoas, ao aderirem ao programa, encontraram um novo modo de viver, produzir e consumir com sustentabilidade.

O programa Cultivando Água Boa é desenvolvido na Bacia do Paraná 3 - BP3 (conjunto de microbacias interconectadas com o reservatório) e abrange 29 municípios, com cerca de 900 mil habitantes, espalhados por uma área de 8 mil quilômetros quadrados, onde estão localizadas 35 mil propriedades rurais.

Para combater os impactos ambientais na região, o programa desenvolve 20 programas e 65 ações, executados pela Itaipu com mais de 2, 2 mil parceiros, que vão desde associações de moradores e cooperativas de produtores rurais, a prefeituras e órgãos dos governos estadual e federal.

Nelton Friedrich explica que em cada microbacia e cada município há um comitê gestor, regulamentado por lei municipal com representantes dos diversos segmentos, "resultando em cerca de 28 mil atores sociais envolvidos".