TEDxPortoAlegre discute o custo da tecnologia para o mundo

Falar de inteligência artificial em pleno século XXI parece assunto batido. Mas Dhaval Chadha, líder da empresa CRIA - Inteligência Criativa Sustentável -, veio a Porto Alegre para provar que não. Falando no TEDxPorto Alegre, que se realiza neste sábado na capital gaúcha, a tecnologia tem uma potência exponencial de desenvolvimento e o mundo ainda não aproveitou nem 1% de tudo que ela pode oferecer.

Hoje, um usuário comum facilmente consegue ter um aparato tecnológico dentro do seu quarto maior do que o presidente dos Estados Unidos tinha há pouco mais de 20 anos, por exemplo. Para Chadha, a evolução da tecnologia acontece tão rapidamente que é possível afirmar que, nos próximos 100 anos, a civilização viverá avanços da informática muito maiores que os dos últimos 20 mil anos. Há, no entanto, muito mais medo do que euforia nesta afirmação.

Como será o futuro e quais paradigmas o planeta guardará para os próximos anos? Segundo Dhaval, a principal preocupação é a possibilidade de que se criem duas humanidades: uma que tem acesso à tecnologia e outra que é excluída.

Chadha, que nasceu e cresceu na Índia e hoje mora no Rio de Janeiro, ressaltou, ao final, que é preciso fazer um exercício de reflexão ética.

A tecnologia pode levar o homem para a frente, mas não pode fazê-lo ao custo da degradação da natureza, do desrespeito à vida e do desenvolvimento desordenado. Para ele, é isso que define a inteligência criativa sustentável. E é essa inteligência que precisamos.

TED e TEDx
O TED (Tecnologia, Entretenimento e Design, na sigla em inglês) surgiu em 1984, na Califórnia, como uma conferência anual para debater novas ideias. Ligados a ele, mas autônomos, surgiram os TEDx, eventos que reunem pensadores e ativistas para, em palestras curtas entre seis e 18 minutos, expor teorias, experiências e pensamentos que possam inspirar um mundo melhor. O "x" marca a independência do evento. No Brasil, houve edições do TEDx em São Paulo, Rio de Janeiro e na Amazônia.