Videogame ambientado na Guerra Fria tem missão de matar Fidel Castro

O videogame "Call of Duty: Black Ops", lançado nesta terça-feira em todo o mundo, transporta o jogador ao ambiente da Guerra Fria, planejando operações especiais, entre elas a de assassinar o líder cubano Fidel Castro.

Com tecnologia estereoscópica, o videogame da empresa americana Activision requer que o jogador utilize armas e veículos de guerra para realizar operações militares em "território inimigo", como a ilha de Cuba.

Veja vídeo:

A primeira operação oferecida pelo "Call of Duty: Black Ops", que surge como o videogame de maior sucesso do ano, é a de assassinar Fidel Castro. Essa missão virtual na ilha caribenha ocorre antes da crise dos mísseis de 1962, quando John F. Kennedy era líder da Casa Branca.

Essa crise, que trazia o medo de que se tornasse uma guerra mundial, é apenas um dos cenários para as "missões especiais" imaginadas pelos criadores do jogo, que também colocam o jogador na extinta União Soviética e no sudeste asiático, durante a guerra do Vietnã.

Mas o jogo não esquece os zumbis, protagonistas de muitos vídeogames.

Esta nova criação bélica é a sequência de "Call of Duty: Modern Warfare 2", que foi o videogame de maior sucesso do ano passado, com 20 milhões de cópias vendidas.

As expectativas para este segundo capítulo são altas: a Activision, que organizou lançamentos espetaculares em várias cidades do mundo, espera vender 11,7 millões de cópias apenas nos Estados Unidos, antes do fim do ano.

A Activision destacou que sua nova versão de "Call of Duty" permite que até 18 pessoas joguem na internet simultaneamente, o que garantiria violentos confrontos bélicos virtuais.