MediaOn: narrativa em texto tende a perder espaço na internet

O debate de abertura do 4º Seminário Internacional de Mídia Online (MediaOn), entre Aron Pilhofer, editor de conteúdo interativo do New York Times, e Susan Grant, presidente-executiva da CNN News Services, chegou a um consenso ao observar que a narrativa em texto está perdendo espaço na internet para novas plataformas que possam contar a mesma história em movimento.

De acordo com Susan, a capacidade de integração de conteúdos para contar histórias com outras nuances, que não sejam só o texto, deverá permear os projetos nos próximos anos.

"O que temos vivido nestes anos é o difícil hábito de mudar. O que vem acontecendo na internet é que ela exige que melhoremos as nossas habilidades. Mas nosso papel como jornalistas é que continuemos sendo honestos. Quando eu comecei a trabalhar com internet, tínhamos apenas a transposição do material do papel para a rede. Como se consegue contar histórias sem movimento?", afirmou.

Pilhofer disse que com as novas tecnologias, um velho chavão do jornalismo deve ser aposentado. "Aquela história de 'adoro escrever, quero ser um jornalista' está com os dias contados. Na web, todo mundo empresta de todo mundo. E tem muita coisa interessante sendo feita, que envolve muito mais do que o texto", disse.

Em relação às mídias sociais, Pilhofer afirmou que a sua empresa ainda não chegou a um consenso sobre a melhor forma de utilizá-las. "Honestamente, acho que não sabemos fazer isso. Usamos o Facebook e o Twitter como forma de disseminar as notícias".

Susan disse que a CNN, tem uma saúde financeira muito boa, apesar do período de crise econômica vivida nos Estados Unidos. "Foram tomadas decisões inteligantes pela nossa corporação como negócio e passamos incólumes pela crise econômica".

Na discussão sobre o fim do jornalismo impresso, ambos disseram que pode acontecer, ainda que não necessariamente, na próxima década. "Se eu estivesse em uma organização que não fizesse investimento e nem tivesse entrado na convergência entre internet e impresso, eu estaria preocupado. Em uma empresa que só se visse como o jornal diário, eu estaria com muito medo. Mas para aqueles que realmente tem uma estrategia, um plano, que estão fazendo as mudanças, não há com que se preocupar", disse Pilhofer.

De acordo com Susan, ainda pode haver espaço para a mídia impressa. Ela compara com a situação do rádio, com o surgimento da televisão e com o vinil, quando os compact discs começaram a ganhar espaço. "Não podemos ficar tão focados nessa pergunta. Precisamos ser inovadores, mas não loucos", afirmou. "Nossa maior conquista foi manter a relevância. Nos tornarmos uma marca global confiável", disse Susan sobre a ampliação das plataformas em que a CNN atua.

Pilhofer afirmou que para sobreviver nesse mercado competitivo da mídia digital é preciso ter uma visão muito mais ampla do que a dos concorrentes. "Temos de observar as novas plataformas que estão disponíveis. É uma questão de envolvimento, de experiência, de estar online. Não basta apenas replicar o que está no papel", afirmou.

MediaOn

O MediaOn, encontro realizado anualmente pelo Terra e Itaú Cultural, é um dos principais fóruns de debates sobre jornalismo digital e novas mídias. O evento, que tem apoio das redes de televisão CNN e BBC, tem transmissão ao vivo e é realizado entre os dias 9 e 11 de novembro.

Os debates contam com a presença de representantes de veículos brasileiros, da América Latina, Europa e Estados Unidos. O tema do evento deste ano é "Os novos caminhos do jornalismo: o que a audiência quer consumir e como?". Além dos debates entre profissionais, um painel mostra ao vivo como os consumidores vêm se apoderando das novas mídias.