OMS: epidemia de cólera no Haiti ainda não está sob controle

      GENEBRA - A Organização Mundial da Saúde (OMS) advertiu nesta quarta-feira que a epidemia de cólera que já causou 284 mortes no Haiti ainda não alcançou seu teto máximo e que também não está sob controle. "Não acho que a epidemia esteja contida", explicou aos jornalistas a médica Claire-Lise Chaignat, coordenadora do grupo especial de luta contra a cólera da OMS.

No entanto, no domingo, a ministra haitiana das Relações Exteriores, Marie Michèle Rey, declarou-se confiante de que a epidemia parecia contida até nova ordem. Chaignat explicou que a OMS recomendava às autoridades haitianas que se preparem para uma situação pior, ou seja, ver a bactéria se desenvolver em Porto Príncipe, onde milhares de pessoas se amontoam em acampamentos improvisados depois do terremoto de 12 de janeiro, que deixou mais de 250.000 mortos. Por outro lado, considerou que ainda é muito cedo para falar de ponto culminante.

Ao contrário, a especialista destacou que o índice de mortalidade baixou, alcançando 7,7%, contra 10% quando a epidemia começou. "Este sinal positivo mostra que a resposta foi colocada em andamento", afirmou, destacando, no entanto, que o índice continua sendo muito elevado.

A origem da epidemia continua sendo um mistério, segundo a OMS. Chaignat desmentiu os rumores, segundo os quais a enfermidade foi levada pelo pessoal humanitário procedente dos países onde a cólera está presente.

"Estamos muito surpresos com esta epidemia no Haiti. Nunca vimos a cólera ali anteriormente", insistiu, acrescentando que não é a primeira vez que a cólera aparece num país sem que haja uma explicação.