SP: Campinas enfrenta a segunda maior epidemia de dengue

        SÃO PAULO - A cidade de Campinas (SP) enfrenta este ano a segunda maior epidemia de dengue da história, com 2.563 casos confirmados, segundo a secretaria municipal de Saúde. Desses, 56 pacientes tiveram dengue com complicações (DCC) e 26 tiveram febre hemorrágica com dengue (FHD). Duas pessoas morreram.

A quantidade de pessoas infectadas em 2010 é de 242,6 doentes para 100 mil habitantes, perdendo apenas para o período de 2007, a maior epidemia com série histórica, quando o índice foi de 1.089,4 casos para 100 mil habitantes.

"Este ano tivemos um inverno praticamente sem frio e não houve interrupção nos registros da doença", disse o secretário municipal de Saúde de Campinas, José Francisco Kerr Saraiva. Outra justificativa para o aumento de casos da dengue, segundo o secretário, é que o município enfrentou sucessivas epidemias provocadas por diferentes sorotipos da dengue.

A tendência, segundo ele, é que aqueles que já tenham contraído a dengue sejam reinfectados e adquiram a forma mais severa da doença. "Vamos mobilizar uma força tarefa envolvendo diversas secretarias, desde o Departamento de Parques e Jardins até a Secretaria de Meio Ambiente, o serviço de água, de limpeza pública, enfim, todos os setores da administração para conter a proliferação do vetor, o mosquito Aedes aegypti", explicou.

De acordo com a diretora de Vigilância em Saúde, a enfermeira sanitarista Maria Filomena Gouveia Vilela, as regiões mais afetadas são o norte e o leste da cidade, no limite com outros municípios, e as avenidas Rui Rodrigues e Amoreiras, que cortam as rodovias Anhanguera e Bandeirantes.