Rio de Janeiro abrigará Fórum Global pela Sustentabilidade

A cidade do Rio de Janeiro sediará a partir de 2011 o Fórum Global pela Sustentabilidade, encontro cujo o propósito é reunir anualmente líderes empresariais, sociais, ambientais, culturais, acadêmicos e governamentais de diversos países para dialogar, assumir compromissos, articular acordos, divulgar práticas e soluções exemplares voltadas para o desenvolvimento sustentável.

Nesta quinta-feira, 07 de outubro, a capital carioca sediou um evento entre personalidades e representantes de empresas e da sociedade civil no intuito traçar diretrizes para o fórum. Em 2012, o evento será realizado um pouco antes da Conferência Internacional das Nações Unidas para o Desenvolvimento Sustentável, a Rio+20, que lembrará os 20 anos da ECO-92.

O encontro desta quinta-feira foi aberto pelo secretário municipal de Desenvolvimento e presidente do Instituto Pereira Passos, Felipe Góes. O presidente do Instituto Ethos, uma das 13 instituições responsáveis pela organização do evento, Oded Grajew, destacou logo em seguida que o fórum terá a missão de criar uma caixa de ressonância, não só diante dos governantes, mas para alertar a sociedade e mostrar que é possível mudar a situação e garantir um futuro melhor para todos.

Segundo Oded, há várias empresas e instituições da sociedade civil que já adotam práticas sustentáveis capazes de fazer uma grande diferença, e que o momento é de juntar forças para acelerar este processo. "A escolha do Rio de Janeiro para sediar o fórum não foi por acaso. É aqui, com esta paisagem natural maravilhosa, que você morre de amores pelo planeta. E estamos aqui justamente para mostrar o que temos a perder se não tomarmos uma atitude", ressaltou.

A presidente do Conselho Deliberativo do movimento Rio Como Vamos (RCV), Celina Carpi, expressou que transformar a capital carioca em um exemplo de sustentabilidade para o mundo é justamente o compromisso a ser assumido. Na opinião do diretor-executivo da Unitar (United Nations Institute for Training and Research), Carlos Lopes, o Fórum Global pela Sustentabilidade terá um papel primordial para tentar fazer com que a Rio+20 não siga o mesmo modelo da 15ª Conferência das Partes das Nações Unidas (COP15), onde 3 mil pessoas participaram das discussões que levaram aos acordos, mas 40 mil, da sociedade civil, ficaram de fora, sem acesso aos debates.

De acordo com Lopes, a missão do fórum será determinar novas formas de orientar e influenciar decisões governamentais pela sustentabilidade e sua função não se esgotará na Rio+20, permanecendo como um espaço de cobranças visando a dar continuidade às práticas e políticas públicas.

Também presentes à abertura do encontro, o prefeito Eduardo Paes e a secretária estadual do Ambiente, Marilene Ramos, comentaram o grande desafio que o fórum e a sociedade terão pela frente, não só diante da Rio+20, mas da própria necessidade de se recuperar o que tem sido degradado e de se preservar o que ainda resta do meio ambiente.

"Temos um passivo ambiental a resolver que passa também por questões de moradia, saneamento, saúde", reconheceu Marilene. "Essa não é uma briga de governos, mas da sociedade", concluiu o prefeito, ao garantir que o município dará todas as condições para a realização do fórum.

O encontro internacional para definir diretrizes para o lançamento do Fórum Global pela Sustentabilidade continua nesta sexta-feira (08), quando haverá coletiva para a imprensa, às 13h30m, e serão apresentados os resultados da reunião.