Holandês e russo-britânico vencem o Nobel de Física

Os dois vencedores desenvolveram trabalhos revolucionários sobre o grafeno, um condutor do calor

Os pesquisadores russos Andre Geim e Konstantin Novoselov são os vencedores do Prêmio Nobel de Física 2010 por seus "trabalhos revolucionários sobre o grafeno", anunciou nesta terça-feira em Estocolmo o Comitê Nobel.

Geim, de 51 anos, e Novoselov, de 36, receberão o prêmio da academia sueca por suas experiências com este novo material, que permite avanços decisivos na física quântica. Suas pesquisas alcançaram importantes aplicações práticas para o grafeno, ligadas à criação de novos materiais e a manufatura eletrônica, como explicou a Academia.

Os analistas consideram que os transístores de grafeno serão substancialmente mais rápidos do que os de silício empregados na atualidade na maior parte dos aparelhos eletrônicos, com o qual será possível fabricar computadores mais eficientes. O grafeno é uma estrutura laminar plana, de um átomo de grossura, composta por átomos de carbono densamente agrupados em uma rede cristalina no formato de favos feitos pelas abelhas.

Este novo material se caracteriza por uma alta condutividade térmica e elétrica e por combinar uma alta elasticidade e rapidez com uma extrema dureza, o que o situa como o material mais resistente do mundo. Além disso, pode reagir quimicamente com outros elementos e compostos químicos, o que transforma o grafeno em um material com um grande potencial de desenvolvimento.

"O grafeno é uma forma de carbono que é o melhor condutor de calor conhecido até o momento", afirma o comunicado da Academia Suécia de Ciências. "Como é praticamente transparente e bom condutor, o grafeno é compatível para produzir telas táteis, painéis luminosos e talvez também captores de energia solar", destaca o comunicado.