IVB inicia testes em medicamento para o combate ao Alzheimer

 

Novidade para os doentes de Alzheimer do país: a partir do próximo ano o tratamento para a doença deverá ficar mais acessível à população nos polos de atendimento do governo. Isso porque, hoje, o Ministério da Saúde compra a medicação de uma empresa particular e paga também pela marca. Em 2007, no entanto, o Ministério assinou um termo de compromisso com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) com o objetivo de implantar ações, programas e estudos com vistas ao desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde no território brasileiro.

 

Por isso, a partir de 2011, o ministério passará a receber do Instituto Vital Brazil (IVB) a produção do medicamento Rivastigmina, usado no tratamento da doença, o que ocasionará uma redução de custos.

 

- Essa economia pode significar, também, um aumento do acesso ao medicamento pela população, se houver demanda para isso, o que acreditamos que exista - afirma Antônio Werneck, presidente do IVB.

 

O fornecimento para o Ministério da Saúde deve ser iniciado entre fevereiro e março do próximo ano. Atualmente os lotes do medicamento estão em fase de testes para, em seguida, passarem pelo registro na Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). A produção será entregue às secretarias estaduais, que disponibilizarão o remédio em seus polos de atendimento.

 

O instituto será o único laboratório oficial a produzir o medicamento para o Ministério da Saúde. Para a produção da Rivastigmina, o Vital Brazil incorporou-se à nova orientação do Governo Federal no campo da Saúde, que considera a estratégia de parcerias e de integração dos setores públicos e privados, e firmou acordo de parceria com a Laborvida, empresa vencedora de licitação pública.

 

- Esta parceria gerou condições necessárias para desenvolver e produzir medicamentos de alto valor agregado, com garantia total de qualidade e de forma verticalizada - afirma Werneck, se referindo ao controle total sobre a fabricação do medicamento, desde a matéria-prima até a distribuição. A produção da solução oral da Rivastigmina será feita no próprio Vital Brazil, e tem prazo para início em outubro deste ano.

 

Essa semana comemora-se a Semana do Alzheimer: O Dia Mundial de Alzheimer foi criado em 21 de setembro de 1994, pela Organização Mundial de Saúde (OMS), durante um Congresso Internacional em Edimburgo, na Escócia. O mal de Alzheimer é uma doença degenerativa, ainda incurável e terminal, descrita pela primeira vez em 1906 pelo psiquiatra alemão Alois Alzheimer, de quem herdou o nome.

 

Síndrome clínica decorrente de doença ou disfunção cerebral, a doença de Alzheimer caracteriza-se pela perturbação de múltiplas funções cognitivas, como memória, atenção e aprendizado, pensamento, orientação, compreensão, cálculo, linguagem e julgamento. Esses sintomas, às vezes, são acompanhados por deterioração do controle emocional, do comportamento social ou da motivação.

 

O Alzheimer instala-se usualmente de modo silencioso e desenvolve-se lenta e continuamente por um período de vários anos. Afeta geralmente pessoas acima dos 65 anos, embora seu diagnóstico seja possível também em pessoas mais novas. Estima-se que a prevalência da Doença de Alzheimer oscile em torno de 4% a 5% após os 65 anos de idade e que a sua incidência se aproxime de 50% próximo aos 90 anos. No Brasil, segundo dados da Associação Brasileira de Alzheimer, existe cerca de 1,2 milhão de pessoas com a doença.