Casa Branca: pesquisa com células-tronco pode salvar vidas

Agência AFP

WASHINGTON - A Casa Branca afirmou nesta terça-feira que a pesquisa com células-tronco pode salvar vidas, um dia depois que a justiça deteve temporariamente o financiamento federal para esta atividade ao alegar que a mesma envolve a destruição de embriões humanos.

"O presidente (Barack Obama) disse muito claramente que se trata de uma pesquisa muito importante, que permitirá salvar vidas", explicou o porta-voz adjunto da Casa Branca, Bill Burton, durante um encontro com jornalistas em Martha's Vineyard (Massachusetts, noreste), onde Obama está de férias.

"Continuamos estudando a decisão da justiça e consideramos todas as possibilidades", acrescentou.

Um tribunal dos Estados Unidos decidiu na segunda-feira deter temporariamente o financiamento federal - autorizado pelo presidente Barack Obama - para a pesquisa com células-tronco embrionárias, ao considerar que esta envolvia a destruição de embriões humanos.

O juiz do distrito Royce Lamberth decidiu a favor de um grupo cristão que se opõe à pesquisa, e deteve temporariamente o financiamento federal dessas atividades, o que permitirá aos demandantes levar o caso diante da corte.

"A pesquisa com ESC (sigla em inglês para células-tronco embrionárias) é claramente uma pesquisa na qual se destrói um embrião", disse o juiz.

"Para realizar a pesquisa de ESC, as ESC devem ser derivadas de um embrião. Esse processo de derivação da ESC de um embrião resulta em (sua) destruição", afirmou o juiz, completando que "até agora, a pesquisa com ESC depende necessariamente de um embrião humano".

Em março, Obama cancelou uma proibição para a pesquisa com células-tronco embrionárias, citando os potenciais avanços médicos e uma nova era para a ciência americana, desprovida de ideologia política.

A ordem executiva emitida pelo presidente reverteu uma proibição de seu antecessor, George W. Bush, que tinha sido criticada por dificultar a descoberta de novos tratamentos para doenças graves, como o mal de Alzheimer, Parkinson e diabetes.