Saiba como manter os pés bonitos até nas estações frias

Patricia Zwipp, Portal Terra

DA REDAÇÃO - Durante o verão, os pés costumam receber muitos cuidados. Mas, ao longo dos meses frios, são esquecidos dentro de sapatos fechados. Os resultados do desleixo são variados. A lista conta com calosidades, bromidrose (chulé), unhas deformadas ou encravadas, micose, solado grosso.

Venhamos e convenhamos, os pés merecem atenção. Suportam o peso do corpo, percorrem os caminhos necessários e ainda sofrem com calçados desconfortáveis ou com salto alto. Que tal mantê-los sempre bonitos e saudáveis? Comece com hidratação diária e esfoliação suave semanal ou a cada 15 dias. "Se esfoliar com muita intensidade, pode prejudicar, deixando-os grossos", disse o dermatologista Jorge Mariz, membro da Sociedade Brasileira de Dermatologia e responsável pela Personal Clinic, no Rio de Janeiro.

A próxima etapa é se prevenir dos principais problemas que os atingem com medidas simples, listadas por Mariz. Confira:

1)Calosidades Ao investir em calçados inadequados, o atrito faz com que a pele engrosse e, assim, aparecem os dolorosos calos. Portanto, a forma de evitar o incômodo é usar sapatos confortáveis ou colocar palmilhas por minimizarem os traumas.

O tratamento consiste em aplicar, sob prescrição médica, produtos ceratolíticos (com ácido salicílico ou ureia, por exemplo), que amolecem as calosidades. O processo é longo. Em alguns casos, leva cerca de três meses. Pode-se ainda lixar suavemente o local. "Lixar intensamente estimula a pele a ficar mais grossa." Mariz lembra que alguns calos surgem devido a alterações ósseas que aumentam o trauma da pele. A solução é o procedimento cirúrgico.

2) Bromidrose As queixas relacionadas à bromidrose, chamada popularmente de chulé, tendem a ser elevadas nas estações frias. O ambiente úmido dos sapatos fechados propicia o crescimento de bactérias, que geram mau cheiro. "Algumas pessoas têm tendência à bromidrose porque suam mais e o calçado torna esse efeito ainda maior."

As recomendações para driblar o transtorno são arejar os pés o máximo possível, secá-los bem após o banho e deixar diariamente botas, tênis, sapatilhas em lugares ventilados ou com sol. Desodorantes e talcos específicos servem como prevenção e tratamento.

3) Unhas deformadas Calçados apertados podem formar irregularidades nas unhas, mudar sua coloração e fazer com que caiam. Sendo assim, nada melhor que dar adeus aos acessórios incômodos, principalmente os de bico muito fino. Quando a alteração não envolve lesão em sua matriz, a unha volta ao normal naturalmente com a ausência de traumas. Caso tenha afetado a matriz, não há tratamento que a recupere.

4) Micose Os fungos se aproveitam do calor e da umidade presentes nos sapatos fechados para proliferar. É assim que surgem as micoses, que atingem tanto os pés quanto as unhas. Entre os dedos, são mais conhecidas como frieiras ou pés-de-atleta.

As dicas de prevenção são as mesmas da bromidrose: seque bem os pés após o banho, procure arejá-los sempre que der e deixe os sapatos em locais ventilados. Caso o problema já esteja instalado, o dermatologista pode indicar tratamentos tópicos ou por via oral.

5) Unha encravada Quem tem ou já teve sabe que uma simples unha encravada incomoda, e muito. Pode ser ocasionada por sapatos apertados ou corte incorreto das unhas (em forma de "U" invertido). Deixe as unhas retas, para que o cantinho não prenda na pele, e aposente os calçados inadequados. Se a pessoa tiver predisposição ao problema, Mariz sugere a cirurgia que corta a unha na lateral com sua matriz para que não cresça mais naquele local.

6 ¿ Sola grossa A sola grossa prejudica a estética dos pés. O atrito faz com que a pele se proteja ficando mais espessa. Procure não andar descalço ou com calçados de sola muito dura. O tratamento é à base de produtos ceratolíticos (com ácido salicílico ou ureia, por exemplo).

7) Verrugas As verrugas são causadas por vírus em quem tem predisposição. Portanto, não há como se prevenir. Atingem a planta do pé e em volta das unhas. As formas de eliminá-las são crioterapia (aplicação de nitrogênio líquido) e produtos ceratolíticos (com ácido salicílico ou ureia, por exemplo), que dissolvem a camada grossa.