Hospitais cobram até R$ 147 para pai assistir parto em SP

Portal Terra

SÃO PAULO - Hospitais particulares de São Paulo estão cobrando entre R$ 113 e R$ 147 para permitir aos pais assistirem ao parto de seus filhos, segundo o jornal Folha de S.Paulo. A reportagem compareceu às maternidades dos hospitais Albert Einstein, Pro Matre, Santa Catarian, Santa Joana e São Luiz. A cobrança é considerada ilegal pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), pela Associação Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e pelo Procon, entidades que consideram o acompanhamento do parto um direito e vêem a cobrança como abusiva, segundo o jornal.

De acordo com a reportagem, uma pesquisa da Universidade de São Paulo (USP) indica que a presença do acompanhante no parto provoca melhora nos índices de diminuição da dor e diminui os riscos de depressão pós-parto. Outros serviços cobrados pelas maternidades são o congelamento do sangue de cordão umbilical, rico em células tronco, vendido a mais de R$ 3,5 mil. Esse método seria considerado inócuo por hematologistas e geneticistas, segundo o jornal. À reportagem, os hospitais Santa Joana, São Luiz e Pro Matre afirmaram que o preço é relativo à cobrança da estarilização e do material adequado para entrar na sala de parto. O São Luiz também teria afirmado que não existe qualquer disposição legal afirmando que o hospital privado deve prestar gratuitamente qualquer tipo de serviço, referindo-se ao direito do pai acompanhar o parto.