Cidades devem ter "visão integrada", defende urbanista

Portal Terra

SÃO PAULO - Gerenciamento equivocado, fontes de problemas e corrupção são alguns dos adjetivos mais associados às metrópoles contemporâneas nos dias de hoje. Mas para o arquiteto e urbanista Jonas Rabinovitch, a solução para todos esses obstáculos ao desenvolvimento está presente nas próprias cidades, ou melhor: em uma administração integrada que elas deveriam ter.

"Há alguma coisa errada em desenhar sistemas políticos que funcionem para atender às necessidades básicas da população?", questionou Rabinovitch em artigo publicado no jornal Folha de S.Paulo de segunda-feira, 1º de março. Segundo o também conselheiro sênior da ONU para assuntos de administração pública e gestão do conhecimento, o planeta e suas políticas de desenvolvimento não podem ser definidas só por meio de cálculos econômicos ou propaganda política.

De acordo com Rabinovitch, gerenciar o mundo por meio da perspectiva da globalização não é um caminho realista. "Só quando os custos ambientais forem devidamente embutidos em todos os cálculos econômicos poderemos realisticamente pintar desenvolvimento por meio de números."

Enxergar a cidade de forma integrada, eliminar as fontes de corrupção e engajar a população de forma participativa são alguns dos fatores possíveis para tornar as cidades mais sustentáveis, segundo Rabinovitch. "Aumentar a transparência e o acesso aos serviços públicos são elementos comuns a várias cidades inovadoras", acrescentou.

Listamos para você os exemplos mencionados pelo urbanista no artigo: Curitiba - mostrou que é possível controlar e direcionar o próprio desenvolvimento; Seul (Coreia do Sul) - os cidadãos participam de decisões sobre políticas públicas via internet; Gurajat (Índia) - a população utiliza a rede mundial de computadores para monitorar a qualidade da água; Zâmbia (África) - administrações locais usam clínicas ambulantes em ônibus para levar saúde básica às áreas periféricas; Antígua e Barbuda - os ônibus são salas de aula para estudos de computação para crianças da periferia. Eslovênia - uma empresa pequena ou média precisa de apenas quatro dias para ser aberta, sem que o empresário pague por isso; Chile - site governamental ChileCompra traz informações sobre todas as concorrências públicas de forma transparente.

Ao encerrar o artigo, Jonas Rabinovitch assinala que a experiência e as informações existentes mostram que as cidades que mais crescem atualmente não deveriam repetir os erros do passado. "Em suma, a criatividade aliada aos recursos humanos, tecnológicos e administrativos, já mostra que é possível desenhar um futuro muito melhor para todos os cidadãos a partir das cidades do planeta", conclui.

Rabinovitch será um dos nomes de peso da primeira Conferência Internacional sobre Cidades Inovadoras (Cici 2010), que será realizada em Curitiba, capital do Paraná, nos dias 10 a 13 de março.