Paraná vai suspender campanhas de vacinação contra aftosa

Agência Brasil

CURITIBA - O Paraná comunica oficialmente hoje ao governo federal que vai suspender as campanhas de vacinação contra a febre aftosa, após 40 anos de campanhas ininterruptas.

O pedido será feito pelo secretário da Agricultura e do Abastecimento, Valter Bianchini, ao ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, após uma reunião do Conselho Estadual de Sanidade Agropecuária (Conesa), na sede da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), em Curitiba. Na reunião serão avaliados os procedimentos técnicos adotados pelo governo do estado para promover esse avanço, que terá impactos no comércio nacional e internacional de carnes.

A solicitação tem o apoio da iniciativa privada. Devem participar da solenidade representantes das 38 entidades que compõem o Conesa. Se o pedido for aceito, a suspensão das campanhas ocorrerá a partir de junho deste ano. A secretaria explicou que até lá, equipes do Ministério da Agricultura vão vistoriar o cumprimento pelo estado das normas nacionais e internacionais estabelecidas para a sanidade agropecuária.

O Paraná será o segundo estado brasileiro, o primeiro com expressão em bovinocultura de corte, a solicitar o reconhecimento de área livre de febre aftosa sem vacinação. Atualmente apenas o estado de Santa Catarina é considerado área livre de febre aftosa sem vacinação.