Museu da Vida expõe fósseis e réplicas de dinossauros brasileiros

Octavio Azeredo, Jornal do Brasil

RIO DE JANEIRO - Como era a biodiversidade há milhões de anos no território onde hoje é o Brasil? Como foi o desenvolvimento dos seres vivos na pré-história brasileira? A fim de responder essas e diversas outras questões, o Museu da Vida, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), está apresentando a exposição Pré-história no Brasil: dinos e outros fósseis, em parceria com o Museu da Geodiversidade, da Universidade Federal do Rio de Janeiro, e o Departamento de Paleontologia e Estratigrafia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Na mostra, que foi divida em quatro diferentes períodos geológicos Pré-Cambriano, Paleozoico, Mesozoico e Cenozoico o público pode conferir diversas réplicas e esqueletos originais de dinossauros, desde os velozes predadores terrestres a répteis aquáticos ou voadores. Todos com uma semelhança: o fato de terem vivo em território onde hoje fica o Brasil.

Há também diversos tipos de rochas, painéis coloridos representando cada período, um vídeo com o paleontólogo da UFRJ Ismar Carvalho, principal responsável pelo material coletado, além de uma oficina para as crianças aprenderem na prática como as escavações são importantes para o desenvolvimento deste trabalho.

Museóloga do espaço científico de Manguinhos, Eloísa Ramos afirma que se trata de uma exposição abrangente a público de todos os níveis sociais e intelectuais, e é atrativo tanto para crianças quanto para adultos.

A mostra faz uma verdadeira retrospectiva sobre a evolução dos seres vivos no país, desde os microorganismos há de milhões de anos aos animais dos dias de hoje até . Começa na geologia, mostra o processo de fossilização até chegar ao surgimento, de fato, dos animais.

E para explicar estes temas, aparentemente difíceis, foi usada uma linguagem de fácil entendimento.

A gente tem que descomplicar a ciência comenta a museóloga da Fiocruz.