Placa de vídeo vai ao forno em investigação de mitos hi-tech

Camila Becker, Portal Terra

DA REDAÇÃO - Eles investigam hipóteses e desvendam mitos sobre a tecnologia. Com seus testes curiosos - como o realizado com uma placa de vídeo que foi temperada e colocada no forno - já foram capazes até mesmo de fazer empresas mudarem a forma como montam seus produtos para melhor satisfazer os consumidores. O grupo aficionado pelo mundo tecnológico é criador do fórum na web Mitos & Verdades , dentro do site OverBR, em que oferece aos internautas informações e provas de que muito do que se pensa sobre tecnologia não passa de ilusão.

Na página, o grupo posta, desde 2008, imagens e textos sobre os testes realizados no laboratório chamado OverLab, que tem sede própria na cidade de Campinas, interior de São Paulo. Sempre com um toque de bom-humor e ousadia, eles elaboram experiências curiosas para desmentir ou comprovar as mais mirabolantes teorias sobre o uso da tecnologia.

Carlos Alexandre Carvalho Duarte, 41 anos, analista e técnico em hardware e processamento de dados, é um dos fundadores do fórum e conta que a iniciativa surgiu por pedidos e estímulo dos internautas. "Fui palestrante na Campus Party e recebi centenas de e-mails após as palestras pedindo ajuda ou dicas de como resolver determinados problemas que acontecem diariamente em computadores", disse ele. "A ideia era desvendarmos mentiras sobre soluções tecnológicas milagrosas e falsas promessas", afirma.

Duarte conta que um dos primeiros testes das "sessões desbravadoras de mitos" foi feito depois de uma sugestão de um fabricante de computadores de linha comercial da Zona Franca de Manaus. O internauta - que se identificou à época como um usuário anônimo -, gostaria de saber como solucionar problemas de aquecimento em seu computador.

De acordo com Duarte, circula pela internet uma receita que orienta os usuários de PCs a adicionarem um pedaço de folha de papel alumínio no processador e cobrir com pasta térmica para ajudar a deixá-lo mais "gelado". O processador mantido em temperaturas mais baixas pode significar maior durabilidade e menor possibilidade de travamentos no computador. Seria verdade?

A experiência levou aproximadamente duas semanas para ser realizada. Foram feitos testes de refrigeração, controle de dados em planilhas e observação constante da umidade do ambiente do laboratório. E, depois de todo o processo, se confirmou que a receita popular oferecida na web não passava de uma falsa promessa. "Era um mero mito. A folha não ajuda e acaba prejudicando a refrigeração após 30 minutos de uso do computador. Com o alumínio, a média de temperatura ficou em 31º C e, sem ela, o mesmo computador ficou em 27ºC", disse Duarte.

Após receber os resultados, o internauta finalmente se identificou ao fórum como fabricante do produto que apresentava problemas. Ele agradeceu ao grupo e modificou a montagem de todos os computadores que já estavam em estoque. De acordo com Duarte, o tópico no site teve uma participação recorde, com mais de 50 mil visitas em apenas uma semana.

Como funciona o grupo

Para a realização dos testes, o grupo - que varia a cada tipo de experiência e conta com cerca de 12 pessoas durante os procedimentos no laboratório - tem a participação de diversos profissionais de áreas como engenharia, química, biologia, técnicos em hardware e refrigeração de computadores e até mesmo profissionais da odontologia, medicina e direito. Segundo Duarte, a idade dos desbravadores também é variada. O mais novo participante tem 17 anos, o mais velho está perto dos 50.

Além da especialização, para todas as experiências do Mitos & Verdades, Duarte afirma ainda que a descontração na hora dos testes é fundamental. "Queremos levar a verdade de forma clara, objetiva e bem descontraída. Sempre usamos brincadeirinhas para não se tornar um texto cansativo ou chato de acompanhar pelo site. Para um dos testes chegamos a 'assar' uma placa de vídeo. Temperamos, deixando marinar com limão, e depois colocamos a placa dentro do forno por 20 minutos", disse.

O fórum do OverBR é especializado em computadores e sistemas de refrigeração e, para isso, hoje conta com dez moderadores, dois redatores, quatro colaboradores e três parceiros. Tudo isso é administrado por dois coordenadores que fazem o contato entre Campinas, de onde Duarte orienta as experiências, e o Japão. "Nem tudo que existe no mundo da internet é real, e o Mitos & Verdades veio justamente para completar a lacuna que existe entre a virtualidade e a realidade", afirmou ele.

Para ser membro ou participar do fórum não é necessário pagar nada. De acordo com o coordenador, o grupo leva, no máximo, 24 horas para responder todas as questões postadas. Quem quiser acessar o conteúdo através do blog ou pelo Twitter também pode. Para conhecer as experiências do Mitos & Verdades o endereço é www.overbr.com.br

Placa é assada no forno

Quando as placas de vídeo ou de memórias do computador começam a dar pequenos problemas, muitos acabam descartando-as e não sabem o que fazer quando elas já não estão mais na garantia. Baseado nisso, um usuário do Fórum OverBR enviou questões sobre o funcionamento das placas e mostrou alguns artigos em um site estrangeiro. A informação oferecida na web era de que, se a placa fosse levada ao forno, se renovaria e ficaria perfeita para o uso. Instigados pela questão, os desbravadores de mitos resolveram fazer o teste.

Primeiro, foram retiradas todas as partes móveis da placa de vídeo, coolers e dissipadores (aqueles pequenos ventiladores e quadradinhos de alumínio). As partes de plástico também foram cobertas com alumínio para não derreterem dentro do forno.

Depois, o forno foi aquecido a 230ºC, e a placa foi colocada dentro dele por 20 minutos. Duarte afirma que o processo é simples. "O que não se deve é jogar fora a placa antes de realmente saber se ela está ou não condenada", diz ele.

"No nosso caso, para este teste, não tínhamos uma placa de vídeo danificada, então tivemos que pegar uma placa de vídeo nova e perfeita e danificá-la", disse ele. O especialista afirma que, no processo, pode ser observado o comportamento do hardware em condições fora do comum: "Chegando a mais de 300ºC quando queimamos (a placa) usando um maçarico, depois congelamos com nitrogênio líquido e no freezer. E, como se não bastasse, literalmente assamos a placa no forno."

Segundo Duarte, o processo de danificação da placa foi um pouco mais radical do que ocorre em um computador utilizado em casa. Porém, mesmo com toda a bruta intervenção feita sobre a placa no laboratório, ela continuou funcionando. "A placa aquecida pode, sim, voltar a funcionar", diz ele, afirmando a comprovação da teoria após os testes.